Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

PM checo sobrevive a moção de censura

PM checo sobrevive a moção de censura
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O governo checo liderado pelo primeiro-ministro populista Andrej Babis sobreviveu a uma moção de censura no parlamento.

A moção de censura foi despoletada pela oposição após um relatório preliminar da União Europeia ter concluído que existe um conflito de interesses envolvendo subsídios europeus atribuídos a empresas pertencentes ao chefe do executivo.

Após dezanove horas de debate apenas 85 deputados votaram a favor da queda do governo, um número bem abaixo dos 101 deputados necessários de um total de duzentos.

"Em primeiro lugar é necessário regressar às normas democráticas elementares. Isso signifca que o governo não pode incluir aqueles que suspeita de abusarem dos subsídios ao mesmo tempo que estão numa posição de influência", Petr Fiala, presidente do Partido Democrático Cívico.

O relatório preliminar da Comissão Europeia, publicado na comunicação social, diz que o primeiro-ministro ainda tem influência no grupo agroalimentar Agrofert transferido para fundos fiduciários em 2017. O conflito de interesses poderá levar a República Checa a ter que devolver cerca de 450 milhões de coroas checas em subsídios europeus recebidas pela Agrofert. O primeiro-ministro reagiu assim no parlamento:

"Considero esta moção de censura como uma tentativa para desestabilizar o país, vai contra o interesse dos nossos cidadãos, da nossa república", disse Babis perante os deputados.

As revelações levaram aos maiores protestos anti-governamentais desde a revolução pró-democracia de 1989. Os manifestantes consideram o primeiro-ministro populista como uma ameaça à democracia e à independência do poder judicial.