Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Costa elogia Merkel e critica os que "querem dividir a Europa"

Costa elogia Merkel e critica os que "querem dividir a Europa"
Direitos de autor
REUTERS/Johanna Geron
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, identificou o Partido Popular Europeu e as "forças que querem dividir a Europa" como responsáveis pelo impasse na escolha dos futuros líderes das instituições da União Europeia e a correspondente da euronews em Bruxelas, Isabel Marques da Silva, explica a relevância do governo português na maratona negocial.

Entre os seis negociadores principais escolhidos pelo Conselho Europeu está o líder do governo português, que se tem desdobrado com o homólogo espanhol, Pedro Sánchez, para conseguir dar aos socialistas (na pessoa do candidato holandês, Frans Timmermans) a presidência da Comissão Europeia, a partir de 1 de novembro.

Apesar de ser um dos líderes veteranos no Conselho Europeu e muito apreciado pela capacidade negocial em Bruxelas, António Costa saiu de mãos vazias, explicando aos jornalistas portugueses porque é que "tudo correu mal e o resultado é frustrante".

"Houve, infelizmente, algumas forças que se deixaram capturar por aqueles que querem dividir a Europa, a partir do Grupo de Visegrado (Polónia, Hungria, República Checa, Eslováquia), ou de posições como as do senhor Salvini (vice-primeiro-ministro de Itália). Limitados por essas pressões, acabaram por ser incapazes de sustentar os acordos que foram, sucessivamente, sendo estabelecidos", disse Costa aos jornalistas.

"Queria ressalvar, muito em particular, a posição da chanceler Merkel (Alemanha), que foi uma pessoa muito determinada em procurar sucessivos acordos mas que, infelizmente, não encontrou o apoio necessário na sua própria família política (Partido Popular Europeu). Espero que o duche, o sono e uma boa noite possam ajudar a iluminar o Conselho para tomar boas decisões amanhã de manhã", acrescentou o primeiro-ministro.

Os líderes português e espanhol têm vindo a trabalhar, sobretudo, como os homólogos liberais da Holanda e da Bélgica e com os cristãos-democratas da Croácia e da Letónia.

A palavra final costuma caber à França e à Alemanha, que agora precisam de convencer os pesos-pesados Itália e Polónia.