A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cimeira europeia sem 'fumo branco' para os cargos de topo

Cimeira europeia sem 'fumo branco' para os cargos de topo
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma longa noite de negociações em Bruxelas, mas que terminou sem 'fumo branco' sobre os nomes que vão ocupar os cargos de topo das instituições europeias.

À cabeça está a presidência da Comissão, mas o Partido Popular Europeu (PPE) e o chamado Grupo de Visegrado - que reúne Hungria, Polónia, República Checa e Eslováquia - travaram até agora a escolha do socialista holandês Frans Timmermans, o nome que emergiu à margem da reunião do G20, em Osaca, como o cenário mais forte para o futuro comunitário.

Para o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, o PPE não quer abdicar do lugar mais cobiçado e que detém há já 25 anos.

"É justo dizer que há muita oposição à proposta feita em Osaka. Do ponto de vista do PPE, a grande maioria dos primeiros-ministros não acredita que devamos desistir tão facilmente da presidência da Comissão Europeia", frisou o irlandês, também ele um dos nomes aventados como forte possibilidade para liderar algum dos organismos cujo futuro permanece por definir.

Depois de o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, suspender a reunião, seguiram-se as reuniões bilaterais. No entanto, há uma forte resistência à ideia defendida por Angela Merkel e Emmanuel Macron e que conta com o apoio de Espanha, Holanda, Bélgica e também de Portugal, tendo o primeiro-ministro António Costa já verbalizado em diversas ocasiões o seu voto.

A chanceler alemã propôs o nome do socialista Frans Timmermans, numa divergência clara da própria família política. Há mesmo quem defenda uma rebelião contra Merkel por abrir mão da presidência da comissão, deixando apenas a liderança do Parlamento e da diplomacia europeia para o PPE.

Contudo, o nome de Timmermans continua em cima da mesa. Um dos supostos rebeldes, o primeiro-ministro búlgaro Boyko Borisov, deixou a cimeira extraordinária para se encontrar com o até agora vice-presidente da Comissão presidida por Jean-Claude Juncker.

Uma reunião que não terá agradado a Viktor Orbán. O primeiro-ministro húngaro, que esteve reunido com Donald Tusk, é um dos maiores críticos à proposta do nome de Timmermans. Em causa está o papel que o holandês teve nos vários choques entre Budapeste e Bruxelas ao longo dos últimos anos.

E assim, por entre reuniões e mais reuniões, não restou outra solução aos jornalistas senão esperar.

Além da presidência do executivo comunitário – o posto que todos querem, e pelo qual estão dispostos a ‘abrir mão’ dos restantes – estão em jogo as presidências do Conselho Europeu, do Banco Central Europeu e de Alto Representante para a Política Externa, assim como a presidência do Parlamento Europeu, já que, embora esta seja decidida pelos eurodeputados, é tradicionalmente também negociada ‘em pacote’, de modo a serem respeitados os necessários equilíbrios (partidários, geográficos, demográficos e de género) na distribuição dos postos.

Perante o impasse nas negociações entre as três grandes políticas famílias europeias – Partido Popular Europeu (PPE), Socialistas Europeus e Liberais –, o Parlamento Europeu decidiu adiar por 24 horas a eleição do seu novo presidente, que estava agendada para terça-feira, primeiro dia da sessão, e passa para quarta-feira, esperando que até lá o Conselho chegue a um compromisso.