Última hora
This content is not available in your region

Irão e a quebra de compromissos do acordo nuclear

euronews_icons_loading
Irão e a quebra de compromissos do acordo nuclear
Tamanho do texto Aa Aa

As notícias de quebra, por parte do Irão, de novos compromissos definidos no quadro do Acordo Nuclear fizeram crescer o nervosismo em Bruxelas, Londres e Paris.

Os apelos internacionais ao respeito pelo acordo de 2015 multiplicam-se mas Teerão faz orelhas moucas.

"Na primeira etapa anunciámos que já não estamos comprometidos em limitar o nosso stock de urânio. Na segunda etapa reconsiderámos os nossos compromissos em relação à percentagem e densidade do enriquecimento de urânio. Sublinhamos que já não estamos comprometidos com isso", anunciou, em conferência de imprensa, Abbas Araghchi.

Pela voz do vice-ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Teerão fez saber este domingo que vai avançar com o enriquecimento de urânio a 5%, acima da concentração de 3,67% limite estabelecidos pelo acordo.

Entre a espada e a parede, pressionados pela retirada dos EUA em maio de 2018, os restantes signatários do documento (Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha) viram terminar, também este domingo, o prazo de 60 dias para protegerem o Irão das pesadas sanções norte-americanas.

Teerão promete reduzir mais obrigações a cada 60 dias e alega que os países europeus também não honraram com os compromissos. Mesmo depois do presidente francês Emmanuel Macron falar com o homólogo iraniano, Hassan Rohani, manifestando, por telefone a "profunda preocupação" com o impacto de um abandono do acordo.

Segundo com um comunicado do Eliseu os dois líderes acordaram procurar até 15 de julho condições para retomar o diálogo entre as partes. Mas o Reino Unido considera as perspetivas sombrias e deixou avisos.

"Estamos muito preocupados com as notícias que vieram a público e vamos aguardar pela verificação independente por parte do organismo internacional relevante antes de decidir os próximos passos a adotar. Mas se o Irão estiver a quebrar o acordo haverá consequências sérias", disse o secretário de Estado britânico para os Assuntos Externos, Jeremy Hunt.

A ofensiva iraniana pretende exercer pressão sobre a Europa de forma aliviar o peso das sanções dos EUA. Os analistas consideram porém que pouco pode ser feito em termos práticos para mitigar a difícil situação económica do Irão.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.