A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Irão e a quebra de compromissos do acordo nuclear

Irão e a quebra de compromissos do acordo nuclear
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As notícias de quebra, por parte do Irão, de novos compromissos definidos no quadro do Acordo Nuclear fizeram crescer o nervosismo em Bruxelas, Londres e Paris.

Os apelos internacionais ao respeito pelo acordo de 2015 multiplicam-se mas Teerão faz orelhas moucas.

"Na primeira etapa anunciámos que já não estamos comprometidos em limitar o nosso stock de urânio. Na segunda etapa reconsiderámos os nossos compromissos em relação à percentagem e densidade do enriquecimento de urânio. Sublinhamos que já não estamos comprometidos com isso", anunciou, em conferência de imprensa, Abbas Araghchi.

Pela voz do vice-ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Teerão fez saber este domingo que vai avançar com o enriquecimento de urânio a 5%, acima da concentração de 3,67% limite estabelecidos pelo acordo.

Entre a espada e a parede, pressionados pela retirada dos EUA em maio de 2018, os restantes signatários do documento (Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha) viram terminar, também este domingo, o prazo de 60 dias para protegerem o Irão das pesadas sanções norte-americanas.

Teerão promete reduzir mais obrigações a cada 60 dias e alega que os países europeus também não honraram com os compromissos. Mesmo depois do presidente francês Emmanuel Macron falar com o homólogo iraniano, Hassan Rohani, manifestando, por telefone a "profunda preocupação" com o impacto de um abandono do acordo.

Segundo com um comunicado do Eliseu os dois líderes acordaram procurar até 15 de julho condições para retomar o diálogo entre as partes. Mas o Reino Unido considera as perspetivas sombrias e deixou avisos.

"Estamos muito preocupados com as notícias que vieram a público e vamos aguardar pela verificação independente por parte do organismo internacional relevante antes de decidir os próximos passos a adotar. Mas se o Irão estiver a quebrar o acordo haverá consequências sérias", disse o secretário de Estado britânico para os Assuntos Externos, Jeremy Hunt.

A ofensiva iraniana pretende exercer pressão sobre a Europa de forma aliviar o peso das sanções dos EUA. Os analistas consideram porém que pouco pode ser feito em termos práticos para mitigar a difícil situação económica do Irão.