Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Reunião sobre liberdade de imprensa em Londres

Reunião sobre liberdade de imprensa em Londres
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os casos de Jamal Khashoggi, morto no consulado saudita em Istambul, e dos dois jornalistas da agência Reuters que estiveram presos em Myanmar por violarem a lei do segredo de estado são exemplos da importância da liberdade de imprensa. O tema está em destaque na reunião que junta em Londres delegações de mais de uma centena de países.

A Conferência Global sobre a Liberdade de Imprensa tem como anfitriões os ministros dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido e do Canadá.

Jeremy Hunt pede unidade e trabalho conjunto.

"Num mundo em que o colunista Jamal Khashoggi do Washington Post foi assassinado dentro de uma propriedade diplomática saudita e a talentosa jornalista Lyra McKee foi morta a tiro por republicanos dissidentes na Irlanda do Norte, seria fácil sucumbir ao fatalismo. Mas temos de resistir porque se agirmos em conjunto podemos chamar a atenção para os abusos e impor um preço diplomático aos que prejudicam os jornalistas ou os prendem por fazerem o seu trabalho".

A conferência pretende criar uma coligação de governos para combater as restrições do trabalho dos jornalistas. O encontro está a causar polémica pela decisão dos organizadores de não convidar dois dos principais órgãos de comunicação da Rússia: o canal de televisão RT e a agência noticiosa Sputnik.

A decisão foi justificada com o "papel ativo" que os dois órgãos de comunicação tiveram na "difusão de desinformação".

O canal RT já reagiu à decisão da organização. Considera que é uma “atitude hipócrita defender a liberdade de imprensa e, ao mesmo tempo, banir vozes inconvenientes e caluniar os meios de comunicação alternativos.