A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Brexit regressa ao debate em Estrasburgo

Brexit regressa ao debate em Estrasburgo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

"O risco de ausência de acordo permanece muito real... (gritos e risos) Olá amigos... estes são os meus melhores amigos e adeptos, não fiquem surpreendidos se os ouvirem a gritar", foi assim que o ainda presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, respondeu aos membros do partido do Brexit que compareceram em peso no parlamento europeu em Estrasburgo.

De resto, o tom não variou de outros debates anteriores dedicados à mesma questão. Uma troca de acusações contínua entre pró-europeus e os seus opositores britânicos do partido do Brexit.

Mas apesar das provocações, o estado de espírito em Estrasburgo permanece sério devido às implicações de uma ausência de acordo.

"Não existe um Brexit bom ou razoável mas a ausência de acordo representa uma catástrofe para a Irlanda do Norte. Há que ignorar aqueles que dizem que a ausência de acordo não é um problema. Ouçamos aqueles vivem e trabalham do outyro lado da fronteira, eles conhecem a situação", afirma a eurodeputada da Irlanda do Norte, Naomi Long.

"De momento, não é a Grã-Bretanha que está a sair da União Europeia, mas sim empregos e empresas que estão a sair do Reino Unido, um terço das empresas britânicas estão a planear a saída ou já sairam mesmo", alertou o líder parlamentar do PPE, Manfred Weber.

Mas para os adeptos do Brexit, o Reino Unido já devia ter saído há meses atrás.

"Devíamos ter saído no dia 29 de março, depois no dia 12 de abril e agora a 31 de outubro, para que é que serve atrasar mais?", disse Geoffrey Van Orden, eurodeputado do Partido Conservador britânico.

Muitos eurodeputados partilham desta frustração mas são favoráveis em dar ao Reino Unido mais tempo e espaço, caso necessário. Por outro lado, ninguém quer que o Brexit cause divisões na UE que até agora se manteve unida a este respeito.

O líder do grupo parlamentar do ALDE, Guy Verhofstadt, deixou clara a sua posição.

"O que não vamos permitir, nós, Europeus, é que o Brexit venha a criar mais confusão e divisões na nossa União Europeia e no nosso projeto europeu", afirmou.

Mais de três anos volvidos sobre o referendo no Reino Unido, o tema do Brexit continua por resolver. Apesar dos alertas e avisos, a UE começa a mostrar sinais de que quer deixar esta questão para trás.