A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Impasse político em Israel poderá agravar processo de paz no Médio Oriente

Impasse político em Israel poderá agravar processo de paz no Médio Oriente
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Seja quem for o próximo líder de Israel, nada faz antever mudanças radicais na Margem Ocidental, ou Cisjordânia.

A União Europeia está a acompanhar a situação de empate técnico entre os conservadores do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o seu rival, o centrista Benny Gantz.

O processo de paz no Médio Oriente e as relações entre Israel e a União Europeia são as preocupações dominantes.

"A solução de dois estados não está à vista e nem sequer existe um processo para lá chegar. Mas penso que é importante criar uma nova relação porque têm existido muitas tensões entre o parlamento europeu e Israel e isso não ajuda ninguém", afirma Tomas Tobé, eurodeputado sueco do PPE.

A União Europeia já reiterou que continua empenhada na solução de dois estados ao mesmo tempo que condena os colunatos israelitas na Margem Ocidental.

"Repetimos o apelo a Israel no sentido de terminar as atividades relacionadas com os colunatos e desmantelar os postos avançados construídos desde março de 2001", disse a porta-voz da Comissão Europeia, Maja Kocijancic.

No entanto, tanto Netanyahu como Gantz defendem a expansão de Israel na Margem Ocidental o que levanta muitas questões.

A eurodeputada espanhola Iratxe Garcia, líder do grupo parlamentar dos Socialistas e Democratas, argumenta que "não é altura de confrontos ou de aumentar conflitos. É altura de criar acordos e a União Europeia deverá estar disponível para encontrar formas de entendimento".

Depois dos Estados Unidos terem mudado a embaixada de Telavive para Jerusalém, alguns países europeus anunciaram a intenção de fazer o mesmo criando potenciais problemas para o processo de paz.