A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Dead Combo celebram o fim com digressão

O "cangalheiro" (Tó Trips) e o "gangster" (Pedro Gonçalves) juntaram-se em 2003
O "cangalheiro" (Tó Trips) e o "gangster" (Pedro Gonçalves) juntaram-se em 2003 -
Direitos de autor
@DEAD COMBO official website - Marques, Francisco
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A dupla Tó Trips e Pedro Gonçalves anunciou esta terça-feira o fim da carreira dos Dead Combo, mas não sem antes se lançarem num “passeio pela [sua] história”, em digressão a realizar entre este e o próximo ano.

Numa publicação na rede Facebook assinada pelos dois, Tó Trips e Pedro Gonçalves afirmaram que vão acabar como começaram, ou seja, “os dois”.

A quem possa interessar, Poderíamos começar esta carta com um passeio pela nossa história, nesse longínquo 2003 quando...

Publiée par Dead Combo sur Mardi 1 octobre 2019

“A razão destas palavras é simples: são vocês. Vocês, as pessoas que acreditaram e apoiaram este duo que já dura há 16 anos. Vocês, que permitiram à nossa sensibilidade entrar nas vossas casas. Achámos que por este voto de confiança, devíamos ser honestos e dar-vos a escolher entre estar presentes ou ausentes neste próximos tempos da nossa banda. Para nós, 2020 não será um ano qualquer”, pode ler-se na publicação da dupla instrumental.

Se o encontro entre os dois “foi uma descoberta, uma grande amizade, um diálogo musical, um universo que se foi adensando e clarificando; se todos estes anos foram uma grande festa nas [suas] vidas, não poderia ser de outra forma o final”.

“Decidimos acabar, mas acabar em grande. Não é um final triste, há muita coisa para ser celebrada. De uma forma concreta, acabamos como começámos: os dois. Voltamos aos palcos com uma tour, num passeio pela nossa história. Começará no final de 2019 e acabará em 2020”, revelaram.

No ano passado, os Dead Combo lançaram "Odeon Hotel", sexto álbum de originais assinado pelo baixista Pedro Gonçalves e pelo guitarrista Tó Trips, gravado em Lisboa ao longo de um ano, com produção do músico norte-americano Alain Johannes.

O álbum tem 13 músicas, entre as quais "Deus me dê grana", e na gravação entraram ainda os músicos Alexandre Frazão (bateria), Bruno Silva (viola d’arco), Mick Trovoada (percussão) e João Cabrita (sopros).

A eles juntaram-se ainda o músico norte-americano Mark Lanegan, a interpretar o poema "I know, I alone", de Fernando Pessoa, e o produtor e multi-instrumentista Alain Johannes.

Os Dead Combo surgiram em 2003, com Pedro Gonçalves e Tó Trips a criarem composições instrumentais marcadas pelo rock, pelos blues, pela tradição da música portuguesa e com influências que se estendem a África e à América Latina.

Já editaram álbuns como "Dead Combo - Quando a alma não é pequena", "Lusitânia Playboys", "Lisboa mulata" e "Dead Combo e as cordas da má fama".