EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Húngaros doam 2,2 milhões de euros a bebé com Atrofia Muscular Espinhal

Húngaros doam 2,2 milhões de euros a bebé com Atrofia Muscular Espinhal
Direitos de autor 
De  Ana Serapicos
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Zente, de 19 meses, conseguiu em menos de uma semana o dinheiro para poder pagar o tratamento da medicação mais cara do mundo

PUBLICIDADE

Uma campanha de financiamento coletivo na Hungria conseguiu arrecadar 700 milhões de HUF - cerca de 2,2 milhões de euros - em menos de uma semana, para que Zente, um bebé de 19 meses, pudesse aceder ao medicamento mais caro do mundo, dado como a cura para a Atrofia Muscular Espinhal.

Zente sofre da doença rara incapacitante, a qual resulta na perda progressiva de células do sistema nervoso, fazendo com que se perca a capacidade motora.

Apontado como o medicamento da cura, o Zolgensma, produzido nos EUA, deve ser administrado antes que a criança tenha 24 meses para poder ser eficaz. Mas o preço faz com que nem todos tenham a sorte de poder usá-lo. O Zolgensma custa 1,9 milhões de euros. O estado húngaro não comparticipa esta medicação, tal como acontece em Portugal e noutros países do bloco europeu.

Os pais de Zente começaram a campanha com uma página no Gofundme, no dia 19 de setembro. Seis dias depois do início da campanha, a mãe de Zente anunciou, no facebook, que havia arrecadado o dinheiro suficiente para o tratamento.

O Zolgensma, lançado em maio deste ano, está disponível apenas nos EUA. Num ensaio clínico, 36 crianças com Atrofia Muscular Espinhal receberam o tratamento antes de fazerem dois anos e, no fim do estudo, nenhuma delas precisava de um sistema de ventilação permanente para respirar.

Mundo Solidário na luta contra a Atrofia Muscular Espinhal

Os pais de Zente não são os únicos que tentam arrecadar dinheiro para o tratamento dos filhos. No início deste mês, outra família na Bélgica conseguiu uma quantia semelhante para o mesmo medicamento. Uma em cada dez pessoas na Bélgica doou dinheiro à causa, o que fez com que tivesse sido doado um total de 1,9 milhões de euros para que uma criança de 9 meses com a doença pudesse aceder ao Zolgensma.

Também em Portugal houve um caso do género: A bebé Matilde. Os portugueses doaram 2,5 milhões de euros aos pais da bebé de 4 meses que sofira de Atrofia Muscular Espinhal. Matilde tornou-se tão mediática que o estado português acabou por arrecadar com todos os custos do tratamento e os pais decidiram doar o dinheiro a outras vítimas da mesma doença.

Polémica com o preço do medicamento

Algumas empresas farmacêuticas nos EUA classificaram o custo do medicamento como "imoral", porque a Atrofia Muscular Espinhal é a principal causa genética de morte nos bebés.

Houve outras preocupações com a precisão dos dados que o seu produtor, Novartis, apresentou à Food and Drug Administration, a entidade que regula os medicamentos, antes desta aprovar o medicamento.

Em resposta às críticas ao preço do medicamento, a Novartis, empresa detentora do fármaco, diz ter criado um novo plano de "acordos baseados em resultados", no qual as pessoas só precisariam de pagar pelo medicamento se ele funcionar. A empresa permitiu também que alguns detentores de seguros de saúde nos EUA paguem pelo medicamento durante um período de cinco anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Televisão pública húngara emite debate político pela primeira vez em 18 anos

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán

Opositor de Orbán mobiliza milhares em manifestação anti-governo