Última hora

Fundação quer ajudar vítimas europeias do "dieselgate"

Fundação quer ajudar vítimas europeias do "dieselgate"
Tamanho do texto Aa Aa

Obter justiça para os europeus afetados pelo chamado escândalo "dieselgate" é o objetivo da Fundação para a Justiça nas Emissões de Diesel, criada na Holanda e que apresentou o seu projeto, terça-feira, em Bruxelas.

O objetivo é ter uma ação judicial coletiva na União Europeia contra a Volkswagen, por causa das irregularidades no mecanismo de medição de emissões poluentes dos automóveis, detetadas em 2015.

"A Fundação está a levar a cabo uma ação legal pan-europeia, para litigar em todos os Estados-membros, contra a Volkswagen, a fim de obter indemnizações para 8,5 milhões de proprietários de automóveis", explicou o advogado Geert Lenssens.

A fundação segue o exemplo de processos levados a cabo nos EUA e na Austrália, fundamentando o caso no "certificado de conformidade". Trata-se de um documento oficial sobre as emissões de gases poluentes para cada modelo automóvel.

"Se este certificado não refletir as emissões realmente emitidas pelo carro, não será válido. E uma vez que esse certificado não é válido, o veículo não pode ser vendido, obter seguro ou circular na estrada. Apresentámos um caso-piloto perante um tribunal belga e o juiz anulou a venda do carro, que teve que ser devolvido ao stand e o comprador foi reembolsado pelo seu valor total", afirmou o advogado Laurent Arnauts.

A fundação quer dar apoio a todos os proprietários que não têm condições financeiras para levar o caso à justiça contra o fabricante alemão e depois ajudar a criar legislação que evite novos casos.

"Tudo começou na Holanda, no passado mês de setembro, e agora estamos a lançar a iniciativa na Bélgica, sendo que se vai repetir em muitos outros Estados-membros da União Europeia. Estou muito otimista, porque não se trata apenas de um meio para ajudar os consumidores a obter indemnizações, mas também para levar a Volkswagen a lidar efetivamente com este caso, arrumando-o no passado para poder seguir em frente", explicou Maria José Azar-Baud, professora de Direito.

A Comissão Europeia já apresentou uma proposta para as organizações de consumidores recorrerem a este tipo de ações coletivas na justiça.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.