Última hora

EUA e França a caminho de guerra comercial

EUA e França a caminho de guerra comercial
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos ameaçam aplicar novas tarifas, que podem chegar até aos 100% do valor, às importações de produtos franceses, como o vinho, o queijo, ou certos bens de luxo. É um novo capítulo na guerra comercial entre os dois lados do Atlântico, que acontece depois de Donald Trump acusar a França de prejudicar as empresas tecnológicas norte-americanas com a nova taxa sobre os serviços digitais.

Emmanuel Macron diz que, se isso acontecer, a França vai retaliar. Os dois presidentes encontraram-se à margem da cimeira da Nato, em Londres.

"Na cimeira do G7, em Biarritz, discutimos uma solução que teria sido muito melhor para os Estados Unidos e para a Europa que é ter uma taxa ao nível da OCDE. Uma tarifa multilateral, sem fazer distinção, sem enviesamento, que permite taxar estas empresas de acordo com a vantagem que têm em cada país. Vamos ver a que conduzem as discussões nas próximas semanas, mas certamente implicam uma resposta pan-europeia, porque nesta questão não é só a França que é taxada ou atacada, mas toda a Europa", disse Macron.

Já Trump disse: "É uma situação muito injusta em termos comerciais, porque os Estados Unidos estão a perder muito dinheiro, há muitos anos, com a União Europeia. Milhares de milhões de dólares. Não vamos fazer isso. Podemos chegar a um acordo ou adotar uma posição mais dura e resolver logo este assunto, se quisermos. Mas não queremos fazer isso. São nossos amigos, temos uma boa relação e penso que vamos conseguir alguma coisa".

A posição da Comissão Europeia, reafirmada esta terça-feira, é que este assunto deve ser discutido na Organização Mundial do Comércio e que qualquer medida contra a França vai merecer uma resposta por parte do conjunto dos Estados-membros.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.