Última hora
This content is not available in your region

Frio ameaça migrantes na Bósnia

euronews_icons_loading
Frio ameaça migrantes na Bósnia
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar dos pedidos de transferência antes do inverno, centenas de migrantes continuam a viver num acampamento improvisado no noroeste da Bósnia.

Foi ali que ficaram quando entraram no país, depois de atravessarem a chamada rota dos Balcãs, a partir da Grécia, da Macedónia do Norte, da Bulgária, e da Sérvia e Montenegro.

Os trabalhadores humanitários alertam para a situação de risco dos migrantes no campo de Vucjak, com temperaturas negativas. Querem que o espaço seja encerrado.

Tisham Hadi tem 21 anos. Conta-nos que a tenda onde dormia desabou com o peso da neve e que agora está doente e não consegue encontrar um lugar para passar a noite

A prioridade é resistir ao frio. O campo quase não tem instalações, é apenas um espaço com relva que já foi um terreno minado na guerra da Bósnia.

Dragan Mektic, Ministro da Segurança da Bósnia-Herzegovina, diz que um antigo quartel do exército, perto de Sarajevo foi destacado para acolher os migrantes, mas precisa de ser modificado e não estará pronto em menos de 20 dias.

A União europeia quer o encerramento imediato do campo de Vucjak. O bloco já disponibilizou dinheiro para a construção de novas instalações

Mas a neve já chegou e os migrantes continuam no mesmo sítio.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.