Última hora
This content is not available in your region

Lançado Pacto Verde da Comissão Europeia

euronews_icons_loading
Lançado Pacto Verde da Comissão Europeia
Tamanho do texto Aa Aa

Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, promover o crescimento ecológico e chegar à neutralidade carbónica em 2050 são essas as ambições do Pacto Verde da Comissão Europeia.

"Ainda não temos todas as respostas. Hoje é o começo de uma nova jornada. Mas este é o momento europeu da chegada do homem à Lua", afirmou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

A estratégia da Presidente da Comissão é um calendário de medidas, reformas e meios financeiros para a mobilização, para ajudar os Estados membros a envolverem-se nesta revolução ecológica. O organismo quer criar um mecanismo de transição, com 100 mil milhões de euros. Para os liberais, a proposta está à altura do desafio.

"Teremos a primeira lei europeia para o clima, ou seja, neutralidade carbónica em 2050, mas também um aumento nos nossos objetivos para 2030 que é já amanhã. Falamos de indústrias, de transporte, por isso é preciso tempo para pôr as coisas a andar", explica Pascal Canfin, eurodeputado pelo grupo Renovar a Europa.

A Comissão propõe reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 50 a 55% até 2030, em comparação com os 40% atuais. No entanto, para os ecologistas eleitos, esta proposta fica a meio caminho entre uma estratégia verdadeira para o clima e um pequeno exercício de limpeza.

"Além das declarações de intenção vai ser preciso começar a agir. E Não se pode dizer para continuarmos com a política agrícola comum, com a política comercial como se faz hoje e fazer o acordo verde. Ou um ou outro, não podemos fazer ambos", adianta Philippe Lamberts, do grupo Os Verdes.

De acordo com o Parlamento Europeu, são os Chefes de Estado e de Governo do grupo forte europeu que analisarão este Pacto Verde. O texto está na agenda da cimeira de quinta-feira, em Bruxelas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.