Última hora
This content is not available in your region

Governo húngaro compra clínicas de fertilidade

Governo húngaro compra clínicas de fertilidade
Direitos de autor
Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Para tentar inverter a tendência de envelhecimento da população, porque a taxa de natalidade é baixa, como um pouco por toda a Europa, o governo húngaro decidiu investir no tratamento da infertilidade. Para isso, o Estado comprou seis clínicas privadas. O tratamento, e de acordo com o Primeiro-ministro, passará a ser gratuito nestes estabelecimentos agora estatais. O que a euronews conseguiu apurar, entre os antigos proprietários destes serviços clínicos, é que a venda foi feita de comum acordo.

As medidas governamentais ampliam, significativamente, o número de pessoas que pode ter acesso a estes tratamentos, mas uma parte da imprensa húngara critica o facto de o Estado estar a centralizar este tipo de serviço. E há mesmo quem acredite que haverá um declínio na qualidade:

"Como todos sabem, o estado não é um bom mestre. A qualidade dos serviços prestados pelas instituições públicas é geralmente pior do que a fornecida pelas instituições privadas, na Hungria", adianta um especialista em Saúde, Zsombor Kunetz.

Mas há quem veja nesta solução uma oportunidade, pelo menos para alguns:

"Este modelo vai durar até 31 de dezembro de 2022. É tempo suficiente para matar a concorrência e então o Estado deterá tudo e terá uma participação bem capitalizada, e a formação de especialistas pode ser organizada. Será uma oportunidade de investimento muito boa para quem deseja ganhar muito dinheiro e haverá pessoas que vão querer", explica outra perita neste setor, Gabriella Lantos.

Nos últimos 10 anos a Hungria perdeu mais de 100 mil pessoas. O governo já tinha implementado o "plano de proteção à família" que incluía, e entre outras coisas, créditos bonificados para a compra de casa e isenção de imposto sobre os rendimentos a mulheres que têm três ou mais filhos. O governo espera conseguir o seu objetivo, aumentar a taxa de natalidade, até 2022.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.