Última hora
This content is not available in your region

Ilhas gregas em protesto contra excesso de migrantes

euronews_icons_loading
Ilhas gregas em protesto contra excesso de migrantes
Direitos de autor
.
Tamanho do texto Aa Aa

As ilhas gregas de Lesbos, Samos e Chios estão em protesto. Em confronto direto com o governo central, os habitantes locais insurgem-se contra o número crescente de migrantes e a degradação das mais básicas condições de vida nos campos de acolhimento.

No campo de Moria, em Lesbos, um espaço previsto para menos de três mil é partilhado por mais de 19 mil migrantes.

Mas, além dos habitantes locais, também os migrantes que vivem no campo de Moria estão preocupados com a segurança. À medida que anoitece, as condições tornam a vida no campo de acolhimento mais difícil.

Manifestações em Chios

Na praça central de Chios, os apelos foram para uma Europa mais responsável e solidária para com quem requer asilo. Os manifestantes exigiram também que os migrantes sejam "partilhados por toda a Grécia".

Os habitantes locais conhecem bem os desafios da migração e dizem querer continuar a assumir a sua responsabilidade humanitária. No entanto, consideram que a ilha está sobrelotada de migrantes, estando em causa a segurança e o bem-estar da região.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, em 2019, mais de 74 mil requerentes de asilo chegaram à Grécia vindos da Turquia. Os números exprimem um aumento de 47,2%, em relação ao ano anterior. A maioria permanece nas ilhas durante meses, ou mesmo anos, à espera de uma resposta.

Depois de uma greve geral esta quarta-feira, as ilhas mantêm os protestos.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.