Última hora
This content is not available in your region

Sérvia não desiste da União Europeia

euronews_icons_loading
Sérvia não desiste da União Europeia
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A porta da União Europeia (UE) continua fechada para a Sérvia, sem perspetivas sobre quando poderá ser aberta. Belgrado mantém vivas as aspirações de adesão ao bloco europeu mas tamb reforça os laços com a Rússia. Na Sérvia, o presidente Alexander Vucic enfrenta protestos contra a corrupção no páis e a falta de liberdade de imprensa.

A euronews falou com o presidente sérvio em Davos, à margem do Fórum Económico Mundial.

Contestação Interna

euronews (Isabel Kumar): Na Sérvia, há protestos há mais de um ano. A situação no seu país não pode ajudar a manchar a sua reputação aqui em Davos quando se encontra com com líderes mundiais? Qual é a sua mensagem no Fórum Mundial?

Alexander Vucic: Não tenho grandes problemas com protestos. É uma forma democrática de expressar posições políticas e atitudes políticas. Permitimos que os nossos opositores organizem protestos há mais de um ano. Mas, de acordo com as últimas sondagens, os nossos números estão a subir. Os deles são muito inferiores. Só para perceberem: cerca de 53% para nós e 8,5% para eles.

euronews: Este ano há eleições parlamentares

Aleksandar Vucic: Teremos eleições parlamentares no final de abril deste ano. Está tudo bem. Acontece no mundo inteiro e é bom tê-las porque é a oportunidade de confrontar a nossa política com a política dos outros.

euronews: Mas pode não ter a oportunidade de enfrentar a política dos outros porque a oposição ameaça boicotar as eleições. Em última análise, com essa posição, o voto pode perder a legitimidade?

Aleksandar Vucic: Não, porque vamos ter uma grande afluência de qualquer maneira. Muito maior do que muitas pessoas esperam. Eles têm esse direito. Podem boicotar ou participar nas eleições. Fizemos o nosso melhor para satisfazer todas as suas exigências e todas as exigências da União Europeia para cumprir os requisitos eleitorais. Agora é com eles.

euronews: E em relação aos observadores independentes? Que pertencem a organizações com a Transparência Internacional ou a Casa da Liberdade, que não fazem um boa avaliação do seu governo em áreas como a liberdade de imprensa. E que dizem que tem tentado agarrar muito o poder. Falam de um aproveitamento da posição de presidente para manter o controle do poder. Algo que é antidemocrático.

Aleksandar Vucic: Claro, isso é antidemocrático. Eu não faço isso. Fizemos muito para melhorar os pré-requisitos eleitorais, especialmente no que diz respeito aos meios de comunicação. Na verdade, 90% dos sérvios utilizam as redes sociais. E não há restrições. Mas definirmos tudo, definirmos a política através dos media. essa é a única questão importante que temos de evitar.

euronews: Mas este é um dos pilares da democracia: ter meios de comunicação livres. E quando há organizações externas ...

Aleksandar Vucic: É um dos pilares da democracia mas não é um conteúdo da política. E os conteúdos da política são mais importantes.

euronews

Adesão à União Europeia

euronews: Vai encontrar-se com membros da administração Trump para falar sobre a preocupação com a crescente instabilidade na região dos Balcãs. Quais são os outros assuntos que vão ser focados?

Aleksandar Vucic: Vou dizer muitas vezes obrigado. Porque eles colaboraram connosco no estabelecimento de um voo direto entre Belgrado e Pristina. Temos assuntos em comum com o senhor O'Brien e com Richard Grenell.

euronews: Esse é o acordo. Quando é que começam os voos?

Aleksandar Vucic: É só uma questão de começar. Penso que será já nos próximos meses.

euronews: Este voo é fundamental para as vossas relações com o Kosovo e para as esperanças de adesão à União Europeia. Consegue encarar de forma realista uma normalização das relações com o Kosovo, tendo em conta a tensão entre os dois territórios?

Aleksandar Vucic: A Sérvia não está muito entusiasmada, mas ainda estamos comprometidos com esse caminho porque não vemos uma verdadeira alternativa. E às vezes, esta questão é muito mais importante para o povo sérvio e para o Estado sérvio. Mas estamos neste caminho há já 20 anos. Penso que, para além da Turquia, nenhum outro país esperou tantos anos.

euronews: Porque é que tem de esperar tanto tempo?

Aleksandar Vucic: Algumas pessoas podem dizer que houve muitos erros externos. Mas eu concordo consigo quando diz que é principalmente por causa da relação entre Belgrado e Pristina. Ainda hoje discuti a questão, não só com funcionários europeus, mas também com Mike Pompeo. E perguntei: se fizermos um acordo com Pristina, se encontrarmos uma solução de compromisso, será suficiente para aderir à União Europeia? E nenhuma das pessoas me disse que sim. O que significa que temos de esperar por uma decisão e uma conclusão da União Europeia, sobre se querem ver a Sérvia como parte do bloco ou não.

euronews: Disse que os sérvios estão a perder o apetite pela União Europeia. Acontece o mesmo consigo, que tem estado nesta posição de espera há vários anos?

Aleksandar Vucic: Se você me perguntar se estou eufórico com as relações com a União Europeia e com o que o bloco tem dado recentemente ao meu país, posso dizer-lhe que não. Mas estou profundamente grato à União Europeia porque eles foram muito úteis quando tivemos as terríveis inundações em 2014. Estou muito grato porque ainda apoiam as reformas. Apoiaram as nossas reformas financeiras e as nossas reformas económicas. Mas podemos falar da Sérvia de uma forma mais positiva. A Sérvia é líder, quando falamos sobre taxas de crescimento. No ano passado, 4,5%, este ano, 4,1%. Temos um excedente no nosso orçamento pelo quarto ano consecutivo. Somos de longe a maior economia dos Balcãs Ocidentais. E estamos a conseguir cada vez melhores resultados.

euronews: As vossas relações com a Rússia melhoraram. Por isso, vai chegar uma altura em que terão de decidir entre Moscovo e a União Europeia. Pode dizer-me que serão os dois, mas a adesão à UE pede, na verdade, um alinhamento em termos de política externa.

Aleksandar Vucic: Sabe qual é o problema? E o problema da maioria dos meios de comunicação do Ocidente? Têm um padrão. Se temos boas relações com Moscovo? Sim. E vamos continuar a ter. E para dizer a verdade, estou farto de receber sermões e ser comentado por causa da cooperação com a China e com a Rússia, quando vejo outros a encontrar Xi Jinping e Putin mais vezes do que eu. Façam o vosso trabalho. Vocês são Estados soberanos e a Sérvia é um Estado soberano. Nós fazemos o melhor para o nosso povo e para o nosso país.