Última hora
This content is not available in your region

O "Acordo do Século" de Donald Trump

euronews_icons_loading
O "Acordo do Século" de  Donald Trump
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Um documento, com cerca de 80 páginas, que pretende solucionar todas as páginas de um conflito que os negociadores de paz tentam solucionar há décadas. O Presidente dos Estados Unidos resolveu apresentar uma proposta, na terça-feira, para resolver o conflito israelo-palestiniano, caracterizado por uma luta armada histórica no Médio-Oriente.

Ao lado do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, Donald Trump propôs uma solução que passa pela criação de dois estados para Israel e Palestina, mas reiterou que Jerusalém deve permanecer uma capital indivisível.

Um novo plano de Trump inclui um novo mapa que estabelece fronteiras entre Israel e um futuro estado palestiniano.

O plano de Donald Trump daria a Israel o controlo total de Jerusalém e a possibilidade de anexação do Vale do Jordão, uma região fértil que faz fronteira com a Jordânia - esta hipótese foi considerada ilegal pela ONU.

Nas ruas de Ramallah, na Cisjordânia, a população está contra a nova solução vinda da Casa Branca. Uma insatisfação que se traduziu em atos de protesto e no hastear de bandeiras palestinianas.

Os antecessores de Donald Trump já tentaram chegar a um acordo entre as duas partes anteriormente, mas sem sucesso.

Várias gerações presidenciais norte-americanas tentaram mediar o conflito entre israelitas e palestinianos. Desde a presidência de Jimmy Carter, nos anos 70, passando pelo plano de Ronald Reagan, pelas tentativas de Bill Clinton ou de George W. Bush.

Para além da organização territorial, a proposta estabelece uma desmilitarização gradual da região.

Os líderes palestinianos não participaram nas negociações e a proposta foi imediatamente rejeitada. O lado palestiniano não aceita os termos do acordo. O Presidente da Autoridade Nacional Palestiniana, Mahmoud Abbas, apelidou a proposta de "conspiração" dizendo ainda que "Jerusalém não está à venda".