Última hora
This content is not available in your region

Quem são os cidadãos que fazem o trabalho da polícia?

euronews_icons_loading
Quem são os cidadãos que fazem o trabalho da polícia?
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Da vigilância dos bairros à prisão de criminosos apanhados em flagrante. Por toda a Europa, os cidadãos comuns estão a fazer o trabalho da polícia. Em alguns países são simplesmente tolerados, enquanto em outros são ativamente encorajados.

A prática começou nos Estados Unidos e espalhou-se pela Europa, especialmente nos países do norte. Na Escandinávia, Holanda, Alemanha e Inglaterra, estes grupos de vigilantes reúnem mais de três milhões de pessoas.

Mas quais são os riscos ? Como é que estes cidadãos põem em risco a presunção de inocência? A euronews foi à Holanda, onde cerca de setecentos grupos de vigilantes cruzam o país , e ao Reino Unido, conhecer vigilantes da internet que rastreiam pedófilos em redes sociais.

Reino Unido

Em frente ao computador, Patrick e Cleveland navegam por plataformas de mensagens para jovens entre os 10 e 19 anos. Pertencem à associação Keeping Kids Safe. Como milhares de outros cidadãos britânicos, assumem-se como caçadores de pedófilos. A primeira abordagem é feita na internet. Criam perfis falsos, fazem passar-se por raparigas de 12 anos. Do contacto virtual passam para uma perseguição na vida real.

euronews

Os dois homens descobrem a morada dos suspeitos e ajudam a prendê-los. O Reino Unido autoriza todos os cidadãos a prender um criminoso em caso de flagrante delito ou se a intenção de cometer um crime lhes parecer óbvia. Patrick entregou mais de 600 alegados predadores sexuais às autoridades.

A polícia acredita que esta prática ajuda a colocar criminosos perigosos fora de ação, mas diz que está longe de ser a solução ideal.

A polícia acredita que esta prática ajuda a colocar criminosos perigosos fora de ação, mas diz que está longe de ser a solução ideal
Dan Vajzovic
Polícia de Cambridge

Holanda

Em Haia, cidadãos comuns patrulham o bairrro, nos tempos livres, duas vezes por semana. A iniciativa é apoiada pelas autoridades locais. Através de uma aplicação para o telefone, especialmente criada para estes grupos vigilantes, conseguem alertar as autoridades em tempo real sobre todo o tipo de danos ou comportamentos anti-sociais. Por vezes, durante as patrulhas, intervêm antes da polícia.

euronews

Jan Overduin faz parte de um destes grupos.

“Às vezes há pessoas que ficam aqui para fumar ou usar drogas. Isto é um parque infantil e por isso não os queremos aqui. Pedimos gentilmente para saírem, se não quiserem, chamamos a polícia”.

Nos Países Baixos, os números da delinquência têm vindo a diminuir, de forma constante, desde 2012. Ao mesmo tempo, aumentam os grupos de prevenção e autodefesa no país.

A socióloga Shanna Mehlbaum estuda o fenómeno.

euronews

“Seria muito mais lógico encontrar estes grupos em bairros menos seguros mas, normalmente, isso não acontece. As pessoas sentem a necessidade de se sentirem mais seguras quando vivem em bairros muito seguros. A conclusão da nossa pesquisa é que estes grupos não têm influência real sobre a taxa de criminalidade nos seus bairros”.

A Holanda tem encorajado a criação destes movimentos de cidadãos, sem, no entanto, os enquadrar. Um laxismo que é denunciado pelos sindicatos da polícia.

O Risco da Discriminação

O medo do desconhecido é a espinha dorsal de muitos grupos de vigilantes na Europa. E a política, às vezes, está muito perto. Na Alemanha, o Partido Nacional Democrático criou uma polémica depois de divulgar um vídeo onde defende “milícias que protegem a cidade de Amberg contra a violência dos migrantes”.

euronews

Para Marc Schuilenburg, criminologista, alguns destes grupos podem promover a discriminação.

"Podem levar à discriminação, estigmatização e perfil étnico. Dito de uma maneira geral, homens negros, homens com barba longa, mulheres com burcas, etc. Todas as coisas e pessoas que se desviam da norma do bairro tornam-se suspeitas”.