EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

CIA e espionagem alemã detinham fabricante de máquinas codificadoras

CIA e espionagem alemã detinham fabricante de máquinas codificadoras
Direitos de autor Arşiv / Saul Loeb / AFP
Direitos de autor Arşiv / Saul Loeb / AFP
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Graças a este esquema, conseguiram monitorizar durante décadas as comunicações das ditaduras latino-americanas, revelam documentos tornados públicos.

PUBLICIDADE

Uma operação conjunta dos serviços secretos dos Estados Unidos e da Alemanha monitorizou, durante várias décadas, as comunicações militares de vários países da América Latina, segundo documentos até agora confidenciais tornados públicos pelos Arquivos Nacionais de Segurança norte-americanos, depois de uma investigação conjunta da televisão alemã ZDF e do Washington Post.

Essa espionagem era feita através de uma empresa sediada na Suíça, a Crypto, que era propriedade da CIA e dos serviços secretos alemães. Vários países, nomeadamente ditaduras latino-americanas envolvidas na Operação Condor nos anos 70 como o Brasil, a Argentina, a Venezuela, a Bolívia, o Chile e o Uruguai - usavam as máquinas fornecidas por esta empresa para comunicações secretas sobre operações contra opositores ou potências estrangeiras, sem saberem que essas comunicações podiam ser lidas pelos governos americano e alemão.

Ministro da chancelaria alemã nos anos 90, responsável pelos serviços secretos, Bernd Schmidbauer defende a importância desta operação: "Graças a ela, o mundo ficou um local mais seguro", diz.

As autoridades da suíça estão agora a investigar o possível envolvimento do governo helvético nesta operação. Em 1995, a CIA comprou a parte dos alemães e passou a deter em exclusivo esta empresa, com sede no cantão de Zug, fundada pelo inventor sueco Boris Hagelin. A Crypto funcionou até 2018, altura em que abriu falência. Os ativos foram comprados por duas empresas, que dizem não trabalhar com quaisquer serviços secretos ou de segurança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Angela Merkel faz 70 anos: qual a popularidade da antiga chanceler?

NATO lança centro de comando da Ucrânia na Alemanha

Alemanha "preocupada" com resultados das eleições francesas apesar da derrota da extrema-direita