Última hora
This content is not available in your region

Prótese robótica imita 50% dos movimentos da mão humana

euronews_icons_loading
Prótese robótica imita 50% dos movimentos da mão humana
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A designer italiana Maria Fossati nasceu com uma malformação no braço esquerdo e é uma das pacientes que está a testar um novo modelo de prótese no Instituto Italiano de Tecnologia, em Génova, na Itália.

Prótese simples e acessível

A tecnologia Soft Hand Pro está a ser dsenvolvida no âmbito do projeto europeu Softhand que ambiciona conceber uma prótese simples, leve e acessível financeiramente, para a maioria das pessoas. "A mão é flexível e adaptável. É um alívio para a pessoa que a utiliza porque o utilizador pode interagir com a prótese e com os outras pessoas. Podemos apertar a mão ou fazer uma carícia, por exemplo", explicou Maria Fossati, designer do Instituto Italiano de Tecnologia.

A inteligência corporal do cérebro e dos músculos

A prótese foi desenvolvida em colaboração com os hospitais de Zurique, na Suíça e de Hanôver, na Alemanha. "A nossa forma de interagir com o ambiente não está apenas ligada às células nervosas do nosso cérebro, está também ligada ao nosso corpo. Há uma ligação entre a inteligência do nosso cérebro e dos nossos músculos através do nosso sistema nervoso e sensorial", explicou Antonio Bicchi, engenheiro robótico do Instituto Italiano de Tecnologia e coordenador do projeto europeu Softhand.

Os investigadores conceberam um sistema que integra articulações similares às da mão humana, capazes de se adaptar à forma e ao peso dos objetos.

Um único motor coordena movimentos das articulações

Os sensores captam os impulsos dos músculos à superfície da pele. "Esta arquitetura muito complexa é gerida através de um único motor elétrico que coordena os movimentos de todas as articulações, o que permitiu uma grande simplificação no que toca ao controlo da mão", disse à euronews Manuel Catalano, investigador do Instituto Italiano de Tecnologia.

A capacidade humana de pegar em objetos segue uma série de padrões complexos. "Conseguimos criar uma mão robótica capaz de imitar mais de 50% dos movimentos da mão humana", afirmou Giorgio Grioli, investigador do Instituto Italiano de Tecnologia.

Maria Fossati deu um contributo importante para a conceção da nova tecnologia de modo a minimizar um fenómeno bastante frequente: a rejeição psicológica da prótese. "A extrema naturalidade desta mão, a flexibilidade dos dedos convida-nos a brincar com eles, a utilizá-los pessoalmente ou na nossa relação com os outros", disse a designer italiana.