EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Cenário de guerra no hospital de Albacete

Cenário de guerra no hospital de Albacete
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Patricia Tavares
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cada vez menos médicos e enfermeiros espanhóis na linha de frente.

PUBLICIDADE

Uma enfermeira espanhola faz um pedido de ajuda desesperado:

Não conseguimos ajudar mais. Precisamos de camas urgentemente em Albacete. Há pacientes que podem estar 1,2, 3 dias à espera de uma cama. Como as pessoas que precisam de cama não conseguem falar nem mexer por causa da doença, não conseguem tornar isto público - eu e meus colegas decidimos tornar a situação pública.
Enfermeira
Hospital de Albacete

O diretor do serviço de neurologia descreve um cenário de guerra em Albacete.

É como uma guerra. Há pacientes a mais para os médicos e enfermeiras que temos. Ao final, podemos ter 40 ou 50 pacientes sem classificação, porque chegam quando estamos a trabalhar, mas é impossível fazer o mesmo trabalho com o número de pacientes que dão entrada. Temos de colocar um paciente ao lado do outro. Um pode ter um pouco de febre e o outro pode estar a morrer. Então é terrível. Terrível.
Dr. Tomas Segura Martin
Diretor do serviço de neurologia

Espanha já registou mais mortes por coronavírus do que a China. A classe médica diz que o país estava mal preparado para a emergência. O que coloca os médicos perante um dilema.

Se desenvolver problemas respiratórios e não tiver ventilador, vai morrer. Esse é o grande problema. Estamos a escolher os pacientes. Dar prioridade a um em vez de outro - algo que está muito longe da nossa ética. Durante toda a a vida profissional, um médico aprende que não importa o sexo, não importa a raça... Apenas cuidar do paciente. Mas não nesta fase. Temos de escolher. É terrível. É um choque psicológico para os médicos nos cuidados intensivos - alguns estão à beira do colapso psicológico.
Dr. Tomas Segura Martin
Diretor do serviço de neurologia

Não se sabe durante quanto tempo mais é que os profissionais de saúde vão conseguir aguentar a crise. Estão cansados, mal equipados e muitos também estão a ficar doentes. Há cada vez menos médicos e enfermeiros na linha de frente - numa guerra sem precedentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Roménia constrói hospital em oito dias

Novo naufrágio perto de Tenerife faz pelo menos 5 mortos. 68 migrantes foram resgatados com vida

Felipe VI de Espanha celebra dez anos de reinado