EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Empresas convertem-se e fabricam máscaras

Empresas convertem-se e fabricam máscaras
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Guillaume Petit
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A reconversão de várias empresas, além de ajudar o esforço contra a Covid-19, evita o desemprego parcial.

PUBLICIDADE

Há semanas que a questão paira na cabeça de muitos franceses: Onde estão as máscaras? Encomendas de vários milhões foram feitas à Ásia, mas para o grande público está a ser difícil encontrar.

Algumas empresas como a Porcher Industries, perto de Lyon, que fabricava materiais para automóveis, aviação e construção, reconverteram-se e estão agora a fabricar máscaras. Estas, produzidas aqui, respondem às normas de segurança recomendadas pelas autoridades do país.

Explica Jean-Marc Sénécot, diretor de pesquisa e desenvolvimento: "Cada vez que o tecido é lavado, seja cinco, dez, cinquenta, sem vezes, é testado, para ver se a filtragem continua eficaz. Esta norma pode servir para a Europa e sei que há discussões em curso com outros países".

Há apenas um mês, os responsáveis desta empresa pouco sabiam sobre máscaras. Aqui, fabricavam-se coisas como parapentes ou materiais para o interior de aviões. As ferramentas tiveram de ser atualizadas.

Diz André Genton, CEO da Porcher Industries: "Encomendámos novos equipamentos, que se juntaram a alguns já existentes e começámos a comprar matérias-primas que não costumávamos comprar. Alguns empregados tiveram de aprender novas formas de trabalhar, tivemos de apostar na polivalência e as pessoas aceitaram bem essa mudança".

A produção aumentou das cem mil máscaras para mais de um milhão por semana. Em breve, a empresa espera vender estas máscaras a outros países europeus.

Esta produção em massa é benéfica também para a empresa. 70% dos trabalhadores continuaram a trabalhar, evitando o desemprego parcial: "É bom saber que somos úteis, mais do que habitualmente, sabendo que há muita gente em desemprego parcial. Contribuímos para fazer máscaras, o que nos dá mais motivação", diz Virginie Vella, operária.

Sete empresas da região estão empenhadas num esforço para responder à encomenda de nove milhões de máscaras feita pela região francesa de Augergne-Rhône-Alpes. Com o fim do confinamento, a 11 de maio, a máscara passa a ser obrigatória nos transportes públicos em França.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Máscaras para surdos cobiçadas por vários profissionais

Soluções para os principais desafios dos mercados de trabalho globais debatidas em Riade

Dos negócios familiares, às grandes empresas do Qatar que apostam na produção nacional