Última hora
This content is not available in your region

Europa prepara desconfinamento progressivo

euronews_icons_loading
Europa prepara desconfinamento progressivo
Direitos de autor  Luca Bruno/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Aos poucos, o som da normalidade vai trazendo Roma de volta à vida de todos os dias. À medida que Itália entra na "fase dois" da quarentena e as medidas anti-covid 19 vão sendo suavizadas, os italianos podem pela primeira vez em nove semanas voltar a visitar familiares e a passear nos parques.

Também em Milão os restaurantes estão já a preparar-se para voltar ao serviço. E nos centros de estética conta-se o tempo que falta com ansiedade.

Margherita Borgo é proprietária de um salão de beleza na cidade e garante que o seu negócio está preparado para abrir. No entanto, lamenta o adiamento da reabertura para o próximo mês. "As autoridades decidiram que só podemos reabrir a 1 de junho, não percebo porquê. Porque outras atividades já estão abertas sem cumprir as regras", reclama.

Mas o regresso ao trabalho está também a trazer preocupações. Em França, mais de 300 autarcas da região da capital escreveram uma carta aberta a Emmanuel Macron para adiar a reabertura das escolas, agendada para a próxima semana.

Também em relação às férias as previsões não são muito animadoras, sobretudo depois de o presidente do Parlamento Europeu ter avisado que é pouco provável ser possível realizar viagens ao estrangeiro e de grandes distâncias durante o verão.

Na Alemanha, vários Estados pretendem reabrir restaurantes e hotéis nas próximas semanas.

A partir de 18 de Maio os restaurantes da Baviera, vão poder servir ao ar livre a e dentro de portas, uma semana depois. A abertura dos hotéis está prevista para o final do mês.

Apesar das advertências para uma segunda vaga de infeções por coronavírus, a Alemanha diz estar preparada para lidar com a epidemia.

Já os portugueses optaram por combater o vírus ficando em casa. No primeiro dia de desconfinamento, metade da população permaneceu dentro de portas. E, de acordo com os dados revelados esta esta terça-feira, Portugal registou o aumento diário de óbitos mais baixo desde março.