Última hora
This content is not available in your region

Conte: "É preciso aceitar os riscos"

euronews_icons_loading
Giuseppe Conte
Giuseppe Conte   -   Direitos de autor  LaPresse/LaPresse
Tamanho do texto Aa Aa

Reabrir um país que atravessou um pesadelo como Itália traz muitos riscos, mas é um passo que tem de ser dado. O pragmatismo de Roma surge numa altura em que se prepara a retoma da atividade de cafés, restaurantes, museus já no início desta semana e a abertura das fronteiras externas no dia 3 de junho.

O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, afirma que "é preciso aceitar os riscos inerentes, caso contrário a retoma nunca irá acontecer. Não é possível esperar pela descoberta e distribuição de uma vacina".

As decisões unilaterais de Espanha e Itália não ajudam ao trabalho em conjunto e em solidariedade
Christophe Castaner
Ministro do Interior de França

Mas se Itália anuncia unilateralmente o fim da quarentena para viajantes e Espanha implementa essa mesma medida, no meio ficam aqueles que lamentam a falta de articulação entre países.

O ministro do Interior francês, Christophe Castaner, afirma que "a coordenação de decisões é essencial, sobretudo dentro do espaço Schengen. Não é o caso, hoje em dia. As decisões unilaterais de Espanha e Itália não ajudam ao trabalho em conjunto e em solidariedade".

O dia 15 de junho parece ser a data mais apontada para uma reabertura mais vasta. A Comissão Europeia pede "concertação" e a "não-discriminação" de cidadãos de diferentes Estados-membros.