Demolição do Teatro Nacional de Tirana gera protestos na Albânia

Demolição do Teatro Nacional de Tirana gera protestos na Albânia
Direitos de autor Gent Onuzi/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Artistas e opositores do governo protestaram contra a demolição do equipamento cultural no centro histórico da capital albanesa.

PUBLICIDADE

Bastaram meia dúzia de segundos para começar a deitar por terra o Teatro Nacional de Tirana e, com ele, as esperanças de dezenas de artistas e opositores do governo albanês.

O executivo planeia ver construídas no mesmo sítio infraestruturas modernas e as autoridades da cidade acabaram por aprovar a demolição.

Este domingo, às 4h30 da manhã, hora local, começavam os trabalhos, rodeados por um cordão policial. para evitar a perturbação dos ativistas.

Para Lulzim Basha, o líder do Partido Democrático da Albânia, ao centro direita, a ação do governo "é uma injustiça e a violência vai continuar até que o governo se vá embora". Os manifestantes contam ainda com o apoio do presidente do país, Ilir Meta, que já classificou a demolição como "um ato ordenado pela máfia" e "um crime constitucional".

Mas para o primeiro-ministro albanês, o socialista Edi Rama, o equipamento não tinha qualquer valor, nem reunia as condições técnicas e de segurança mínimas.

Artistas e simpatizantes lamentam a perda de património histórico. O Teatro Nacional de Tirana era uma herança da ocupação fascista e nazi, tendo passado para as mãos dos albaneses, no fim da Segunda Guerra Mundial, passando então, sob o regime comunista a Teatro Popular. O atual nome só seria dado em 1991, após a queda do comunismo no país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Albaneses exigem demissão de Edi Rama

Edi Rama, primeiro-ministro: "É preciso parar com a história da Albânia corrompida e criminosa"

Dezenas de manifestantes anti-NATO entram em confronto com a polícia em Nápoles