EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

OMS retoma testes com hidroxicloroquina

OMS retoma testes com hidroxicloroquina
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Teresa Bizarro com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Substância tinha sido suspensa há uma semana e meia no tratamento para a Covid-19

PUBLICIDADE

Organização Mundial de Saúde deu ordem para que se retomem os ensaios clínicos com hidroxicloroquina nos doentes com Covid-19. Os testes foram suspensos na sequência de um artigo de 22 de maio, publicado na revista The Lancet, que não só declarava que o medicamento era ineficiente no combate ao novo coronavírus, mas chegava ao ponto de dizer que poderia ser prejudicial para os doentes.

Um estudo agora contestado e que levou o comité de segurança da OMS a voltar atrás. O diretor da organização esclarece que foi dada ordem para manter os testes de todos os medicamentos, incluindo a hidroxicloroquina.

As dúvidas sobre as conclusões de falta de eficácia do medicamento foram levantadas pela revista científica que publicou o artigo da polémica. A The Lancet questiona agora o relatório da Surgisphere, a empresa norte-americana que esteve na origem a análise que suspendeu os ensaios.

Hidoxicloroquina: um termo que entrou no léxico comum durante a pandemia

Donald Trump apresentou o medicamento como panaceia para o novo coronavírus; Jair Bolsonaro deu ordens para que fosse utilizado de forma massificada no tratamento da doença no Brasil.

Depois das dúvidas levantadas, o uso passou a ser desaconselhado pela OMS. Várias autoridades nacionais, como a Direção geral de saúde em Portugal suspenderam a utilização no tratamento para a Covid-19.

Os ensaios clínicos estão a ser feitos em 3500 pacientes de 35 países.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A "guerra" da cloroquina no Brasil

Cloroquina poderá ser eficaz contra Covid-19

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa