EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Pandemia pode agravar a escravatura moderna

Pandemia pode agravar a escravatura moderna
Direitos de autor Dita Alangkara/Copyright 2016 The Associated Press. All rights reserved. This material may not be published, broadcast, rewritten or redistribu
Direitos de autor Dita Alangkara/Copyright 2016 The Associated Press. All rights reserved. This material may not be published, broadcast, rewritten or redistribu
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Associações alertam para perigos da escassez de recursos financeiros dos empregadores.

PUBLICIDADE

O Reino Unido é um dos países onde a realidade das redes organizadas de escravatura moderna se tem tornado mais evidente. Os casos vão-se sucedendo e costumam começar com falsas promessas de emprego e acabar em violência e tortura psicológica.

O jornalista Damon Embling aponta que, "no ano passado, foram identificadas mais de 10.600 alegadas vítimas de escravatura neste país, o que representa uma subida de 50% em relação a 2018. A maior parte dessas vítimas tem como proveniência zonas mais distantes do Reino Unido, a Albânia e o Vietname".

Mas há outras origens recorrentes, como a Polónia. Há menos de um ano era desmantelada uma rede que explorava polacos em situação vulnerável - antigos presos ou sem-abrigo, por exemplo -, que eram forçados a trabalhar na separação de lixo e em quintas.

Há muito poucas acusações produzidas no quadro da nova lei sobre a escravatura moderna
Unmesh Desai
Partido Trabalhista britânico

Ella Read, da associação de solidariedade Hestia, salienta que, à medida que a atividade económica retoma após as restrições sanitárias, "aumenta o risco de pessoas em contexto de exploração em certos setores. E o risco agrava-se ainda mais se os empregadores tiverem menos recursos financeiros para pagar salários".

Esta associação criou recentemente uma casa-abrigo para sobreviventes. Ella Read fala também noutra preocupação: o facto de existirem atualmente restrições em termos de viagens significa que os traficantes "irão encontrar formas mais criativas para deslocar pessoas entre países, para trazê-las para o Reino Unido ou para movimentar cidadãos britânicos também".

Em 2015 foi criado um quadro legal para reforçar o combate ao tráfico humano. No entanto, muitos críticos dizem que as novas disposições britânicas não vão tão longe quanto deviam.

Nancy foi vítima de escravatura e questiona o porquê de não haver um estatuto legal que permita a pessoas na sua situação ficarem a residir no Reino Unido. Segundo Nancy, "é isso que pode ajudar os sobreviventes a reconstruírem as suas vidas" e "não caírem outra vez nas malhas das redes de tráfico".

Unmesh Desai, do Partido Trabalhista, destaca uma das grandes falhas nesta matéria, que é: "há muito poucas acusações produzidas no quadro da nova lei sobre a escravatura moderna. É preciso incrementar a aplicação das medidas previstas. Há muito por fazer".

E sobretudo numa altura em que a pandemia aumentou o número de pessoas em situação vulnerável e, portanto, de alvos potenciais para estas redes de crime organizado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Escravidão humana na produção de champanhe em julgamento

Miss Juneteenth traz a lume questões raciais

Eleitores britânicos vão escolher um novo governo esta quinta-feira