Última hora
This content is not available in your region

Temperaturas altas na Sibéria batem novo recorde

euronews_icons_loading
Temperaturas altas na Sibéria batem novo recorde
Direitos de autor  Rajesh Kumar Singh/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Verhoyansk, no extremo norte da Sibéria, para lá do Círculo Polar Ártico, está consagrada no livro dos recordes do Guinness como a cidade com maior amplitude térmica em todo o mundo.

O recorde de frio é de 68 graus celsius negativos, enquanto o recorde de calor era de 37 graus. Era, porque esse número foi batido no sábado. A temperatura mais alta alguma vez registada é agora de 38 graus.

A região vive uma onda de calor pouco habitual. As temperaturas mantêm-se há vários dias bastante acima dos 30 graus. Uma tendência que se estende a toda a Sibéria, o que tem causado uma vaga de incêndios.

Roman Vilfand, diretor do Centro Meteorológico da Rússia, explica: "Sempre que há um anticiclone, o céu fica limpo e como estamos na altura do solstício o sol não se põe, por isso o solo está sempre a ser aquecido, o que causou este efeito".

Mesmo se é uma anomalia, causada pelo anticiclone mas a que o aquecimento global não é estranho, os habitantes de Verhoyansk podem este ano nadar nos rios, o que não acontece sempre. E aproveitar, até porque o inverno vai ser frio.