Última hora
This content is not available in your region

Japão e Gana unem-se no combate às doenças infecciosas

euronews_icons_loading
Japão e Gana unem-se no combate às doenças infecciosas
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O combate às doenças é um esforço mundial. No Gana, há um instituto japonês que ganhou o nome de Hideyo Noguchi, o médico que, nos anos 20, procurou no país africano a cura para a febre-amarela.

Atualmente, o Instituto Noguchi tem uma equipa internacional a trabalhar em toda a África Ocidental e, no ano passado, inaugurou um laboratório para trabalhar nas áreas de epidemiologia, imunologia, virologia e bacteriologia.

Fundação em memória de Hideyo Noguchi
O médico japonês Hideyo NoguchiFundação em memória de Hideyo Noguchi

Abraham Anang, diretor do Instituto de Investigação Médica Noguchi revela que agora, a instituição está a investir na"formação de países terceiros, com a formação de cientistas de laboratório na África Ocidental pós-ébola, de forma a preparar a região para poder responder com uma deteção precoce".

Essa perícia inclui também métodos japoneses de gestão. Um deles é "kaizen," ou "mudança para melhor", em japonês. E os "5S": separação (seiri), arrumação (seiton), limpeza (seiso), padronização (seiketsu), e disciplina (shitsuke).

Através do "kaizen", qualquer empregado pode propor inovações, o que, combinado com o 5S, permite um aumento da eficiência.

Os investigadores ganeses aprenderam os métodos durante uma formação em Tóquio.

Para Christopher Zaab-Yen Abana, investigador chefe-adjunto no departamento de virologia do instituto, eles "ajudam a ordenar e a definir corretamente o espaço de trabalho do laboratório. E o mais importante nesta época de Covid-19 é que esta abordagem nos ajudou a combinar os milhares de amostras, para que as possamos processar.

O "Kaizen" e os "5S" ajudam n testagem, mas também a gerir hospitais.

"Ajudou-nos também a garantir que somos capazes de diagnosticar outras doenças infecciosas relacionadas, como a gripe, a febre-amarela, e depois a Covid-19", acrecenta o virólogo.

Fundação em memória de Hideyo Noguchi
Hideyo Noguchi no GanaFundação em memória de Hideyo Noguchi

Hideyo Noguchi morreu no Gana, em 1928, com febre-amarela , mas o seu legado é mantido vivo por sucessores, como Hayashi Takaya.

A trabalhar no Instituto Noguchi há já três anos, o investigador recorda um exemplo prático dos benefícios da investigação conjunta no terreno.

"O meu colega ganês ajudou-me a recolher as amostras. E isso é uma cooperação muito boa para fazer avançar a nossa investigação no Gana. Isolámos com sucesso o vírus da dengue ganesa".