Última hora
This content is not available in your region

"Così Fan Tutte". Mozart volta a Salzburgo adaptado à pandemia

euronews_icons_loading
"Così Fan Tutte". Mozart volta a Salzburgo adaptado à pandemia
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O Festival de Salzburgo celebra este ano o centenário com uma edição especial, que esteve quase para não acontecer.

Com um programa reduzido, Helga Rabl-Stadler fez, no entanto, questão que o espectáculo continuasse. Para a presidente de um dos mais famosos festivais austríacos, é "importante mostrar o valor da cultura e das artes, porque é alimento para a alma, e era essa a convicção dos nossos fundadores".

Obra de Mozart adaptada a tempos de pandemia

O encenador Christof Loy e a maestrina Joana Mallwitz trabalharam numa nova versão, mais curta, de "Così Fan Tutte", a antepenúltima ópera de de Mozart, estreada a 26 de janeiro de 1790, em Viena.

Os contrangimentos que a covid-19 está a impôr aos espectáculos levaram a que a obra tivesse de ser adaptada, num processo que - garantem os artistas - não foi fácil.

"Cada nota que tiramos de Mozart faz doer o coração, mas a certa altura dissemos: não pensemos no que temos de cortar, mas como podemos obter o máximo do espírito de Mozart", revela a maestrina.

Uma história de comédia e romance

"Così Fan Tutte" é uma exploração tragicómica da infielidade das mulheres, com uma série de disfarces e enganos como pano de fundo.

Joana Mallwitz explica que a obra "vai de algo muito lúdico - giocoso, scherzando - e também atrevido a alguns números e cores quase românticos. É um jogo, mas depois as emoções envolvem-se e tudo está sempre a mudar para trás e para a frente entre estes dois pólos, por vezes muito rapidamente. Num só compasso, as coisas mudam".

Ao longo da história, D. Alfonso propõe-se provar aos jovens homens que todas as mulheres, mesmo as suas noivas, podem ser infiéis.

"Claro que ele pode ser cínico e perverso, ele é provavelmente aquele que sabe desde o início que, se está numa relação com alguém, tem de aceitar e amar, em si próprio e e na sua parceira, todos aqueles diferentes sentimentos que provavelmente fazem parte de cada ser humano", conta.

Musica / Euronews
"Così Fan Tutte", de Mozart, no Festival de SalzburgoMusica / Euronews

No final, mesmo após as alterações impostas pelas condicionantes da atualidade, a maestrina não deixa de se surpreender com a magnitude intemporal da obra e do seu autor.

"Esta música transforma os impulsos, as emoções e os sentimentos mais profundos e íntimos que existem. Vê-se tudo a irradiar para o exterior. Isto é algo mágico, que talvez só Mozart consiga fazer".

Como parte do Festival de Salzburgo, "Così Fan Tutte" vai estar em cena até 18 de agosto, no palco de Grosses Festspielhaus.