Esgotos de Belgrado despejados num Danúbio cada vez menos azul

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Esgotos de Belgrado despejados num Danúbio cada vez menos azul
Direitos de autor  AP / Laszlo Balogh

Com ambições de entrar na União Europeia em 2025, a Sérvia tem muito trabalho a fazer em termos ambientais, para cumprir os objetivos de Bruxelas.

As águas usadas de Belgrado ainda são diretamente despejadas no Danúbio. O país pretende construir instalações de tratamento de esgotos, mas é pouco provável que isso ocorra nos próximos quatro anos.

Os pescadores sofrem com o rio. Mladen Jovic lamenta: "Matámos todos os nossos rios, vamos matar este também. O Danúbio é um rio muito forte e poderoso que poderia levar a poluição, mas já não o pode fazer. Costumava ter uma linha costeira e estava a fluir, agora já não há nada disso. Há 3 metros de profundidade no meio do rio, e costumava ter 20 metros de profundidade".

Cerca de meio milhão de habitantes da capital sérvia não tem conexão com o sistema de esgotos da cidade e deita o conteúdo das fossas séticas no rio.

O ministério da Infraestruturas calcula em 190 milhões de metros cúbicos, o volume das águas residuais que o Danúbio recebe todos os anos na Sérvia.

O Danúbio nasce na Alemanha e atravessa nove países, num percurso de 2.850 km, até desaguar no Mar Negro. Pela sua grandiosidade, o rio consegue combater os dejetos orgânicos, não ultrapassando, na maior parte do tempo, o limite crítico dos 500 microgramas por mililitro de partículas bacteriológicas.

Os pescadores, no entanto, observam a deterioração ambiental e a acumulação de matérias que reduzem a profundidade das águas.