EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Trump escolhe Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal

Trump escolhe Amy Coney Barrett para o Supremo Tribunal
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente norte-americano anuncia este sábado a sua escolha para o Supremo Tribunal dos EUA. Segundo a imprensa americana, será Amy Coney Barrett

PUBLICIDADE

Amy Coney Barret, uma magistrada conhecida pelas suas convicções religiosas tradicionalistas, é a escolha de Donald Trump para substituir Ruth Bader Ginsburg, no Supremo Tribunal dos Estados Unidos da América.

De acordo com a imprensa norte-americana, que cita fontes da Casa Branca, é este o nome que o presidente vai anunciar ainda este sábado.

Questionado sobre o assunto no regresso de uma ação de campanha, Trump manteve o suspense: "São todos bons. Pode ser qualquer um deles. Poderia ser qualquer um da lista. São todos excelentes", disse.

A escolha do presidente será oficializada este sábado à noite, numa cerimónia no Jardim das Rosas.

Os conservadores apressam-se a nomear a substituta da juíza Ruth Bader Ginsburg antes mesmo de ela ser sepultada e tencionam realizar as audiências de confirmação nas próximas duas semanas, para uma votação plenária antes da eleição presidencial de 3 de novembro.

Para os conservadores, colocar mais um juiz conservador no Supremo Tribunal é uma ambição de há muito. Com esta escolha, o Supremo Tribunal terá apenas três juizes progressistas entre os nove magistrados que o compõem. As nomeações dos juizes são vitalícias.

Ruth Bader Ginsburg será sepultada na próxima semana, ao lado do marido, no cemitério de Arlington. Foi até agora a primeira mulher a ter uma câmara ardente no Capitólio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Manifestações pró e contra a futura juíza do Supremo

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa