EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Morreu Paolo Rossi, o goleador que fez o Brasil chorar (1956 - 2020)

Paolo Rossi a celebrar um dos três golos com que fez o Brasil chorar
Paolo Rossi a celebrar um dos três golos com que fez o Brasil chorar Direitos de autor AP/ Arquivo
Direitos de autor AP/ Arquivo
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O herói italiano do Mundial de 82 estava a lutar há algum tempo contra um cancro dos pulmões. Tinha 64 anos

PUBLICIDADE

Morreu Paolo Rossi, o herói italiano do Mundial de 82.

Quinze dias depois do mundo do futebol se despedir da estrela maior do Mundial de 86, Diego Maradona, agora o adeus ao melhor marcador da Copa de 82, em Espanha, onde marcou seis golos, metade no jogo de Barcelona contra o Brasil, que ditou a eliminação de uma das melhores seleções de jogadores da história do futebol.

Depois de ter sido implicado num escândalo de manipulações de jogos em Itália, pelo qual foi suspenso por três anos (pena depois reduzida dois), regressaria à Juventus, onde se tinha formado e para onde voltou poucos meses antes do Mundial de Espanha.

Integrou uma equipa onde formou um tridente temível, ao lado deo francês Platini e do polaco Boniek. Ganhou dois "scudettos", uma Taça, uma Taça das Taças (diante do FC Porto, em 1984), uma Supertaça Europeia e uma Taça dos Campeões Europeus.

"Pablito", como é carinhosamente tratado em Itália aquele que também foi definido como “Il Bambino d'Oro”, estava há lutar há algum tempo contra um cancro nos pulmões.

A notícia da morte foi anunciada pela mulher, Federica Capelletti, numa publicação no Instagram, onde incluiu uma foto de ambos, com a legenda "Per sempre" acompanhada de um coração.

Paolo Rossi tinha 64 anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

De "Pibe de Oro" a "D10S": Morreu Diego Maradona

Arrivederci, Buffon! Italiano tira as luvas e fecha carreira repleta de êxitos

Juventus não vai recorrer da decisão da UEFA