This content is not available in your region

Papa abre palácio no Vaticano aos sem-abrigo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Papa abre palácio no Vaticano aos sem-abrigo
Direitos de autor  Alessandra Tarantino/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved

O natal é sinónimo de união familiar, mas para os pobres e sem-abrigo é o reflexo da solidão, um sentimento que se agrava nesta quadra. Os que vivem ao relento na praça de São Pedro, no Vaticano, encontram consolo e um teto no Palácio Migliori, que o Papa Francisco mandou renovar e abriu em novembro do ano passado para estar ao serviço de pessoas nestas condições.

"Muitos pobres passaram por aqui e muitos encontraram, eventualmente, o próprio caminho, a própria casa. Alguns voltaram para as famílias", referiu, em entrevista à Euronews, Carlo Santoro, diretor do Palácio Migliori.

O projeto foi entregue à Comunidade de Sant'Egídio. O espaço tem capacidade para acolher até 50 pessoas às quais é dada uma cama, roupa lavada, comida e é prestado apoio à saúde. Torna-se ainda mais especial em tempo de pandemia de Covid-19, como sublinhou Claudia Palazzolo, médica e voluntária: "Neste momento, em que é muito difícil ter acesso ao sistema de saúde por causa da pandemia, este aspeto é mais importante do que nunca. Têm medo de ir ao hospital e muitos serviços hospitalares estão fechados. Somos capazes de evitar acessos desnecessários às urgências, quando possível."

O papel dos voluntários é crítico para ajudar os que mais precisam. A propagação do novo coronavírus é motivo de preocupação acrescida, mas continuam a conhecer-se histórias de pessoas que morrem entregues à própria sorte.

"Infelizmente estamos a viver uma situação em que os hospitais estão completamente orientados para tratar doentes com Covid-19. No último mês, três pessoas morreram sozinhas na rua, na esquina. Nenhuma tinha Covid-19. Foram simplesmente abandonadas", lamentou Carlo Santoro.

Luca Palamara, Euronews - "Devolver a dignidade aos pobres e sem-abrigo. Não se trata apenas de proporcionar um abrigo seguro mas também de oferecer meios para ajudá-los a manter uma vida diferente."

Pessoas como o utente Mario Brezza encontraram uma família neste lugar com a qual podem desfrutar de momentos de relativa felicidade à mesa no natal.

"Isto é como casa para mim: pode-se dormir, comer, tomar banho. De outra forma, para onde iríamos. Temos de agradecer ao Papa Francisco, que abriu este lugar no ano passado. Caso contrário onde é que estaríamos todos agora?", questionou Mario.

O diretor do Palácio Migliori ressalvou: "O almoço de Natal da Comunidade de Sant'Egídio cria um laço único com as pessoas, não só com os pobres, mas também connosco, porque é uma reunião familiar para aqueles que não têm família, que estão sozinhos no Natal."