Portugal fecha escolas e universidades na sexta-feira

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com Lusa
Um estudante entra de máscara numa sala de aula em Portugal
Um estudante entra de máscara numa sala de aula em Portugal   -   Direitos de autor  PATRICIA DE MELO MOREIRA / AFP /Arquivo

As salas de aulas em Portugal voltam a ser fechadas esta sexta-feira devido ao forte agravamento da pandemia, sobretudo pelo impacto da variante britânica do SARS-CoV-2, que o primeiro-ministro já tinha mostrado recear devido à alegada maior propagação entre os jovens.

Variante britânica

Um estudo do Imperial College of London, publicado a 31 de dezembro, indicou que a nova variante britânica do SARS-CoV-2, entretanto batizada B117, tem uma maior taxa de contágio através de pessoas menores de 20 anos do que as infeções pelo próprio coronavírus original.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, durante um ato de campanha realizado quarta-feira à tarde, já tinha deixado sinais do que o encerramento das escolas e universidades poderia estar por horas.

De acordo com alguns meios de comunicação portugueses, a decisão terá ficado praticamente tomada quarta-feira à noite após uma videoconferência do primeiro-ministro, acabado de regressar de Bruxelas, com os ministros da Educação, da Saúde e da Presidência.

A reunião aconteceu depois de Marta Temido e Mariana Vieira da Silva terem ouvido os peritos habitualmente consultados nas reuniões do Infarmed.

As informações e as previsões recolhidas pelas ministras da Saúde e da Presidência terão convencido António Costa e o ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues a avançar para o fecho imediato do ensino presencial em todos os níveis.

A decisão final foi alinhavada em Conselho de Ministros e anunciada por António Costa no final da reunião. As creches, escolas e universidades suspendem por 15 dias as aulas presenciais, com compensação no calendário escolar.

O fecho total das escolas é a decisão que o Governo andava a tentar evitar, mas, após novos recordes diários de infeções (14.647) e mortes (219) registados quarta-feira no quadro da Covid-19, parece ter-se tornado inevitável.

Os números desta quinta-feira, entretanto, também já são conhecidos, tendo sido registados mais 221 mortos (um novo recorde diário) e 13.544 novas infeções diagnosticadas.

Organizações estudantis exigem fecho

O encerramento das escolas e universidades vai de encontro ao pedido emitido pela Associação Académica de Lisboa (AAL) e a Federação Académica do Porto (FAP), onde ambas as entidades solicitavam ao mesmo tempo a garantia de refeições de ação social para alunos mais carenciados.

No comunicado, citado pela Lusa, a AAL lembrou ainda que "há milhares de estudantes doentes, muitos deles poderão vir a desenvolver problemas crónicos ou correr risco de vida, e possivelmente dezenas ou centenas de milhares em isolamento profilático a sacrificarem o seu desempenho académico".

Na nota, a Associação recorda também que no ano passado defendeu junto do Secretário de estado do Ensino Superior que as aulas deviam ser em regime misto, alertando para a possibilidade de a situação pandémica piorar e que por causa disso o regime presencial deveria ser limitado.

"Na nossa visão, as aulas práticas que são impossíveis de se realizar e serem avaliadas à distância poderiam ser efetuadas presencialmente, sendo o resto on-line", salientam os estudantes lisboetas.

A FAP lembrou que o "ensino superior tem um número elevado de estudantes deslocados, colocando-os na rua e em transportes públicos, o que pode traduzir-se num risco, quer para os mesmos, quer para o seu agregado familiar ou colegas de residência/casa".

Por isso defendem que deve ser garantido o acompanhamento dos estudantes, a nível académico, social e económico.

“Nenhum estudante pode ser deixado para trás por falta de meios tecnológicos. Reforçar os serviços de apoio psicológico é também uma prioridade”, concretiza a entidade portuense.

Outras fontes • Público, Expresso