EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Paridade é a prioridade da presidência italiana do W20

Paridade é a prioridade da presidência italiana do W20
Direitos de autor Giorgia Orlandi, euronews
Direitos de autor Giorgia Orlandi, euronews
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Emprego feminino foi o primeiro a desaparecer em Itália devido à pandemia.

PUBLICIDADE

A luta pela igualdade de género é a principal prioridade do W20 - "Mulher 20". A crise provocada pela pandemia da Covid-19 fez com que o mercado de trabalho sofresse uma quebra e as diferenças de género foram acentuadas.

Este ano, a presidência do grupo "Women 20" foi confiada à italiana Linda Laura Sabbadini, que também é diretora do Instituto Nacional de Estatística de Itália. Dará recomendações aos líderes do G20 durante cimeira de 30 e 31 de outubro em Roma e diz que o emprego feminino nunca foi tão prejudicado como nesta altura. Itália foi um dos países mais atingidos pela pandemia e o emprego feminino foi dos primeiros a desaparecer a um ritmo alucinante.

A violência contra as mulheres e e as alterações climáticas são duas questões centrais do W20 deste ano - que dá início aos trabalhos. Itália também é um país onde as mulheres estão sub-representadas na esfera política e a ideia é mudar mentalidades. Aproveitando o impulso do W20, outro grupo de mulheres - “Ingenere” - lançou a iniciativa"Half Of It". Pretende que o governo envolva mais mulheres no processo de decisão relativo à gestão de fundos da União Europeia.

Numa altura em que o debate sobre a igualdade de género se arrasta, a mensagem do grupo é clara: num mundo onde as mulheres representam mais da metade da população, está na altura da inclusão e do empoderamento feminino.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos em São Paulo contra novo projeto de lei sobre o aborto no Brasil

Gigante do comércio alemão Karstadt tenta plano de resgate mas não evita milhares de despedimentos

Emprego em máximos históricos: Portugal tem mais de 5 milhões de trabalhadores