Última hora
This content is not available in your region

Um negócio de milhões abalado pelo Brexit

De  euronews
euronews_icons_loading
narcisos
narcisos   -   Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

A apanha de narcisos é um negócio gera milhões de euros, no Reino Unido. Mas este ano muitas destas flores ficaram por colher porque os produtores não podem contratar mão de obra do estrangeiro.

Grande parte dos narcisos não foi apanhada. Tudo porque não há livre circulação no Reino Unido, por causa do Brexit.

"Tínhamos entre 100 a 150 pessoas, e agora temos 25, porque as pessoas não vêm.", conta Kevin Haynes, produtor na maior quinta de narcisos do país, em Lincolnshire, uma região a 180 km a norte da capital britânica.

Antes do Brexit, eram colhidos, em média, 25 milhões de narcisos, todos os anos. Este ano os produtores esperam apanhar 6 milhões, menos 75% do habitual. Tudo porque pessoas de fora do Reino Unido estão proibidas de trabalhar em quintas como esta porque as plantas ornamentais estão classificadas numa categoria diferente das frutas e vegetais. É uma questão de lei. Um detalhe que está a causar um grande impacto nos produtores de flores britânicos.

A lei permite que os produtores de alimentos possam contratar trabalhadores estrangeiros, mas de forma temporária. O que afasta também muita mão de obra. "Não temos razões para eles virem e conseguirem um visto de trabalho", explica Kevin Haynes.

Além da dificuldade de encontrar quem queira apanhar narcisos, também as exportações ficaram comprometidas, como explica à Euronews Adam Taylor, dona da empresa Taylor O A & Sons Ltd, Holbeach, a qual produz as flores.

"Fomos informados de que tínhamos um acordo fantástico e que tudo ia ficar bem", explica Kevin Taylor sobre o acordo Brexit. "(...) Mas não foi assim", conclui.

O governo diz estar atento a estas diferenças de lei na produção local, que acabam por afetar a economia britânica. Mas até a situação estar resolvida, estes produtores deixam para trás campos e campos de flores, que murcham, tal como o negócio deste ano.