Última hora
This content is not available in your region

Macron visita Notre-Dame dois anos depois do incêndio

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Macron visita Notre-Dame dois anos depois do incêndio
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Dois anos depois do incêndio que destruiu parte da Notre-Dame, em Paris, o presidente francês visitou as obras que decorrem na catedral. No topo do edifício, Emmanuel Macron encontrou-se com as equipas envolvidas nos trabalhos de consolidação da estrutura e promete que o templo vai reabrir ao público em 2024.

"Esta é apenas a primeira etapa, porque também vemos quanto trabalho nos resta, mas esta é uma mensagem de orgulho coletivo: fizemos muito em dois anos e evitámos o pior", afirmou o presidente francês Emmanuel Macron.

A 15 de abril de 2019, as imagens da catedral a arder e do pináculo da torre central a colapsar impressionaram o mundo. Macron prometeu que seria reconstruída em cinco anos, mas a pandemia veio atrasar o processo. Os trabalhos de consolidação devem terminar no verão e a reconstrução arrancar no final do ano.

"Há uma segunda fase: a reconstrução do telhado e da torre, que vai começar, mas essa parte pode ir além de 2024", realçou Mechtild Rössler, diretora do Centro de Património Mundial e Património da Humanidade da UNESCO.

A UNESCO aprova a decisão do presidente francês de reconstruir a catedral o mais próximo do que era antes do incêndio. "A catedral é Património Mundial da UNESCO, faz parte das margens do Sena, e, portanto, a sua autenticidade e integridade devem ser respeitadas. Por isso, acho que foi uma boa decisão manter exatamente a mesma arquitetura de Viollet-le-Duc", sublinho Mechtild Rössler.

Uma angariação de fundos, a nível nacional e internacional, permitiu arrecadar 833 milhões de euros para a restauração.