This content is not available in your region

Desfrutar da beleza da natureza em Portugal sem ruído e sem CO2

De  Aurora Velez  & euronews
euronews_icons_loading
Desfrutar da beleza da natureza em Portugal sem ruído e sem CO2
Direitos de autor  euronews

O município espanhol de Fermoselle em Castela, conhecido como “a varanda do Douro”, é um dos doze locais onde é possível usar veículos elétricos para visitar áreas naturais de Espanha e Portugal, gratuitamente.

O projeto transfronteiriço permite explorar sete parques naturais protegidos da Península Ibérica sem fazer ruído nem emitir CO2. Foram elaboradas uma série de rotas e há especialistas ambientais que dão a conhecer os pontos de interesse.

“O local que toda a gente quer visitar é o desfiladeiro. O rio integra a ZEPA, zona de Protecção Especial para Aves. Podemos ver o abutre-preto que mede três metros de uma asa à outra. Podemos ver o grifo, um abutre que mede dois metros de uma asa até à outra, e o britango, que é o símbolo do parque natural e mede um metro e meio”, afirmou Julia Sendin Garcia, especialista ambiental espanhola.

Uma frota de cem veículos elétricos

O projeto Moveletur conta com uma frota de cem veículos elétricos que integra bicicletas, triciclos, carros, scooters e tuk tuks. Um dos principais desafios foi estruturar, tanto em Espanha como em Portugal, uma rede de pontos de recarga de veículos elétricos, ao longo de sete áreas protegidas.

O objetivo da iniciativa é dar a conhecer espaços protegidos, muitas vezes desconhecidos do grande público. Graças ao silêncio há por vezes surpresas. "Quando usamos um carro elétrico os animais não fogem, ficam parados para que que possamos observá-los e apreciá-los. Ficam a olha. Mas, quando usamos um motor a combustão, o barulho assusta-os, e irrita-os, e eles fogem. O visitante não desfruta da visita da mesma forma", explicou Jesús Diéz, diretor do programa Moveletur.

Um projeto apoiado pela política de coesão da UE

O projeto de mobilidade elétrica na fronteira entre Portugal e Espanha foi destacado pela UNESCO.

O orçamento total da iniciativa ronda os 900 mil euros (908.829 euros) e 75% do montante é financiado pela Política de Coesão Europeia.