This content is not available in your region

Peru espera há três dias o resultado da eleição presidencial

Access to the comments Comentários
De  Maria Barradas  com AP
euronews_icons_loading
Peru espera há três dias o resultado da eleição presidencial
Direitos de autor  AP Photo

A tensão sobe no Peru com a longa espera pelo resultado da eleição presidencial de domingo.

A contagem dos votos tem sido muito renhida. Os apoiantes dos dois candidatos saíram para a rua clamando vitória.

Do lado de Keiko Fujimori, a candidata da direita, surgem acusações de fraude. Um manifestante pergunta: "O que é que estão a esconder? O que é que estão a esconder? Viva a democracia; não ao comunismo!"

Pedro Castillo conquistou as zonas rurais mais pobres e Keiko Fujimori as regiões urbanas, com melhor nível de vida e mais densamente povoadas

Os apoiantes de Castillo alegam que a vantagem do candidato da esquerda, em número de províncias ganhas, já permite que a comissão eleitoral o declare vencedor.

"Pedimos que o declarem presidente. O homem ganhou em 19 províncias e a senhora só ganhou em seis ou sete sítios. É óbvio que estão a cozinhar uma fraude", alega uma manifestante.

O impasse político faz crescer a tensão, num país que enfrenta uma crise económica profunda agravada pelos piores resultados da pandemia a nível mundial.

O Peru sofreu uma contração económica de quase 10%, a pior da região. Milhares de pessoas perderam o emprego e mesmo as residências. A pandemia adensou a "falência" do modelo neoliberal das últimas três décadas, que deixou de responder às necessidades de milhares de peruanos, sobretudo durante a pandemia.

A escolha dos eleitores era entre a continuidade deste modelo com Keiko Fujimori, que tenta a presidência pela terceira vez; ou a mudança de sistema político e económico para combater a pobreza e as desigualdades, prometida pelo sindicalista Pedro Castillo, que propõe mudanças na constituição para permitir ao Estado uma maior intervenção na economia do país.

O resultado da escolha é um "empate técnico". A eleição é o espelho da clivagem entre os dois mundos que coabitam no Peru.