EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

UE critica pacto EUA-Reino Unido-Austrália

Josep Borrell
Josep Borrell Direitos de autor FRANCOIS WALSCHAERTS/AFP or licensors
Direitos de autor FRANCOIS WALSCHAERTS/AFP or licensors
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Borrell sublinha importância acrescida de autonomia estratégica da União Europeia

PUBLICIDADE

A União Europeia foi surpreendida com o anúncio do pacto de segurança histórico concluído entre os Estados Unidos, a Austrália e o Reino Unido. 

Bruxelas vai "analizar as repercussões" e frisou a importância reforçada da estratégia de segurança comunitária.

Josep Borrell, chefe da diplomacia europeia:"Um acordo desta natureza não é cozinhado de um dia para o outro, demora algum tempo. E, apesar disso, a União Europeia não foi consultada. Isto força-nos, novamente - e é um bom momento para lembrarmos isso -, a refletir sobre a importância de avançar na questão da autonomia estratégica da União Europeia. É uma nova prova de que temos de existir por nós próprios."

O acordo prevê a partilha nomeadamente de tecnologias de defesa avançada e é visto como uma forma de travar a influência da China na região do Indo-Pacífico.

Zhoa Lijian, porta-voz da diplomacia chinesa:"A cooperação entre Estados Unidos, Reino Unido e Austrália nos submarinos nucleares prejudica a paz e estabilidade regional, intensifica a corrida às armas e põe em risco os esforços internacionais pela não-proliferação de armas nucleares. É um ato altamente irresponsável."

A primeira consequência da nova aliança foi a decisão da Austrália de romper um importante contrato com a França para o fornecimento de submarinos convencionais, a favor de submarinos nucleares concebidos em colaboração com os Estados Unidos e o Reino Unido. 

Uma ruptura vivamente criticada por Paris.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

PM australiano reage a acusações francesas

Chefe da diplomacia francesa acusa antigos aliados de traição

França convoca embaixadores em Washington e Canberra