EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

França convoca embaixadores em Washington e Canberra

França convoca embaixadores em Washington e Canberra
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A nova parceria entre os EUA, Reino Unido e Austrália para a região do Indo-Pacífico e o fim do contrato para a construção de submarinos franceses para a marinha australiana são o pomo da discórdia

PUBLICIDADE

A França convocou na sexta-feira os embaixadores nos Estados Unidos e na Austrália para discussões em torno do fim de um contrato para a construção de submarinos para a marinha australiana.

O presidente Emmanuel Macron ordenou a convocação dos embaixadores depois das autoridades de Canberra terem rejeitado um contrato de submarinos franceses em troca de submarinos norte-americanos, disse o chefe da diplomacia francesa Jean-Yves Le Drian.

Do lado norte-americano, este desacordo não compromete a amizade entre os dois países.

"Bons amigos também têm desacordos. Essa é a natureza da amizade, porque somos amigos podemos ter desacordos e continuar a trabalhar em áreas de cooperação. E vamos continuara trabalhar com os nossos colegas franceses em áreas de cooperação assim como lidar com tensões na nossa relação. Mas não vemos essas tensões mudarem a natureza da nossa amizade", afirma Linda Thomas-Greenfield, representante permanente dos EUA nas Nações Unidas.

A relação entre a França e os Estados Unidos atravessa um momento de mudança depois do anúncio da nova parceria de segurança entre os Estados Unidos, a Austrália e o Reino Unido para a região do Indo-Pacífico.

De acordo com o ministério francês dos negócios estrangeiros, tratou-se da primeira vez que a França convocou o embaixador em Washington.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Secretário-geral da NATO apela a união entre os aliados

Aliança EUA-Reino Unido-Austrália: Um balde de água fria para a UE

UE critica pacto EUA-Reino Unido-Austrália