EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Secretário-geral da NATO apela a união entre os aliados

Secretário-geral da NATO apela a união entre os aliados
Direitos de autor Alex Brandon/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Alex Brandon/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, apelou à união entre os aliados e afirma que é preciso olhar para além da questão dos submarinos

PUBLICIDADE

O novo pacto de segurança entre a Austrália, o Reino Unido e os Estados Unidos foi um dos tópicos na agenda do encontro bilateral na Casa Branca entre o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson e o presidente norte-amerciano Joe Biden. 

No entanto, apesar dos sorrisos entre os dois líderes, outros países aliados da NATO não mostram o mesmo entusiasmo.

Ministros europeus afirmam que a anulação do contrato entre a Austrália e a França para o fornecimento de submarinos à Austrália mostra a necessidade de agir de forma independente. 

O chefe da NATO afirma que compreende a situação mas diz que é preciso olhar para além desta questão.

"Compreendo o desapontamento da França. Ao mesmo tepo, os aliados da NATO convergem na questão mais ampla, nos desafios mais importantes, e significa que nos temos que manter unidos na NATO, a América do Norte e a Europa juntos, de forma a enfrentarem desafios comuns, incluindo as mudanças no equilíbrio global de poderes", afirma Jens Stoltenberg, secretário-geral da NATO.

Por detrás da nova aliança de segurança está o expansionismo da China na região do Indo-Pacífico.

 Em vez dos submarinos convencionais fornecidos pela França, os EUA vão partilhar com a Austrália tecnologia nuclear para a construção de vários submarinos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO discute ameaças da China, da Rússia e dos talibãs

França convoca embaixadores em Washington e Canberra

França descontente com administração Biden