This content is not available in your region

Indígenas pedem identificação das crianças e o "mea culpa" do Papa

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Indígenas pedem identificação das crianças e o "mea culpa" do Papa
Direitos de autor  DARRYL DYCK/AP

No dia em que o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, visita a comunidade de Kamloops, no oeste do Canadá, uma sobrevivente do internato indígena onde foram encontrados os restos mortais de 215 crianças, diz esperar que os corpos sejam identificados.

Evelyn Camille, de 82 anos, afirma: "Penso que é muito importante encontrar a sua identidade, como eu disse, para que possam terminar a sua viagem de regresso a casa. Há muito tempo que lá esperam, e agora que foram descobertos, têm de encontrar primeiro quem eles são, quem eles eram".

Com uma tradição espiritual profunda, as comunidades indígenas acreditam que os espíritos das crianças se mantém junto dos restos mortais enquanto estas não forem identificadas. Esse é um processo que as ajudará a ultrapassar esta ferida.

A Igreja Católica pediu desculpa aos povos indígenas do Canadá pelos abusos nas escolas residenciais, mas os líderes indígenas continuam à espera de um mea culpa do próprio Papa.

Rosanne Casimir, líder da comunidade indígena Tk'emlups te Secwepemc diz: "Não posso falar pelo papa, mas penso que se ele ouvisse realmente os nossos sobreviventes e desenvolvesse uma resposta a isso, uma resposta significativa, poderia fazer a diferença."

Já foram encontradas no Canadá mais de 1.000 sepulturas de crianças anónimas perto de antigas escolas residenciais indígenas católicas, trazendo à luz um dos capítulos mais sombrios da história canadiana e da sua política de a realidade de assimilação forçada do povo das Primeiras Nações.

O país está ainda a recuperar após a revelação pública de que havia restos mortais de centenas de crianças enterradas em internatos católicos criados há um século para assimilar à força os povos indígenas do país.

Quase seis meses mais tarde, a comunidade indígena dos Kamloops, que se tornou simbólica do escândalo, continua a lutar pela cura à medida que continua a busca de outros restos mortais e tenta identificar as vítimas.

A revelação das sepulturas foi uma confirmação arrebatadora para as comunidades indígenas, que testemunharam durante anos sobre os milhares de crianças que desapareceram enquanto permaneciam nos internatos. Elas exortam a Igreja e o governo canadiano a partilhar todas as informações que possam identificar as crianças, tais como os registos de frequência escolar.

No total, cerca de 150.000 crianças indianas, Metis e Inuítes foram matriculadas desde finais do século XIX até aos anos 90, em 139 das escolas residenciais de todo o Canadá, passando meses ou anos isoladas das suas famílias, língua e cultura. Milhares nunca regressaram a casa.

Mas o processo poderá ser longo. O radar de penetração no solo utilizado para confirmar a localização das sepulturas não fornece detalhes sobre a idade ou a hora do enterro. E é provável que sejam encontradas mais sepulturas.

O trabalho arqueológico que conduziu a resultados preliminares cobriu uma área de aproximadamente 8.000 metros quadrados e há 65 hectares na escola Kamloops, que fechou em 1978, que ainda precisam de ser analisados.