This content is not available in your region

Incerteza e "contratempos" preocupam Bruxelas

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Incerteza e "contratempos" preocupam Bruxelas
Direitos de autor  Claudio Centonze/EU

A sustentabilidade da recuperação económica volta a levantar dúvidas numa altura em que a União Europeia (UE) se encontra novamente ameaçada com "contratempos", relacionados com a pandemia de Covid-19, como a reintrodução de restrições, a inflação ou os problemas nas cadeias de abastecimento.

Durante a apresentação do Pacote de Outono do Semestre Europeu, esta quarta-feira, o comissário europeu com a pasta da Economia sublinhou que esses "contratempos" estão a aumentar.

No entanto, Paolo Gentiloni insistiu que o pior parece já ter passado.

"Não devemos subestimar o aumento do número de infeções, mas também não devemos pensar que o impacto económico destas novas infeções possa ser o mesmo ou comparável ao que aconteceu no inverno passado porque temos vacinas e uma relação diferente entre a economia e a pandemia", lembrou o comissário europeu da Economia.

Ao mesmo tempo, ao emitir pareceres sobre os planos orçamentais dos Estados-membros, Bruxelas deixa um recado aos países altamente endividados: é tempo de pensar no crescimento e avaliar com cuidado a despesa.

Do grupo constam países como Grécia, Itália, Espanha ou França.

"Sim, temos crescimento. Mas não devemos aumentar demasiado as despesas atuais. Enviamos um sinal. Estamos a aprovar todas as propostas orçamentais. Não estamos a pedir alterações específicas como fizemos em períodos anteriores. Estamos a assinalar o problema. Mas este sinal não deve ser mal interpretado. Não estamos a pedir para apertar o cinto para já, para consolidar as contas, para voltar à austeridade", disse Gentiloni.

Os alertas surgem numa altura em analisa o futuro do Pacto de Estabilidade e Crescimento. Um assunto que promete gerar divisões entre países do norte e do sul europeu.

A cláusula de salvaguarda do PEC, que suspendeu as regras da disciplina orçamental para que os Estados-membros pudessem fazer frente ao impacto da pandemia, deverá ser desativada em 2023.