This content is not available in your region

Governos europeus preocupados com propagação da Ómicron

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AP, AFP
euronews_icons_loading
Governos europeus preocupados com propagação da Ómicron
Direitos de autor  Michael Probst/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

O Reino Unido passou para o nível de alerta quatro, numa escala de cinco, o que significa que se teme um aumento, exponencial, no número de casos de Covid-19 porque a possibilidade de transmissão da mais recente variante do novo coronavírus, a Ómicron, é elevada.

O sistema Nacional de Saúde está sob grande pressão e o governo abre agora portas à dose de reforço da vacina contra a doença aos maiores de 18 anos, em geral, em Inglaterra. O primeiro-ministro britânico afirmava que "ninguém deve ter dúvidas: há uma vaga de Ómicron a chegar"Boris Johnsonafirmava que é "agora claro que duas doses de vacina não são suficientes para dar o nível de proteção" necessário. Mas acrescentava que "a boa notícia" é que os "cientistas estão confiantes de que com uma terceira, uma dose impulsionadora", podem "recuperar, todos, o nível de proteção".

Na Áustria foi fim de semana de protestos contra a vacinação que o governo tornou obrigatória a partir de fevereiro do próximo ano e contra as medidas governamentais impostas para travar a propagação do vírus.

O executivo austríaco quer menos protestos e mais vacinação. Gerhard Karner, o ministro do Interior apelava aos cidadãos para que não participassem na manifestação e que, em vez disso, falassem com os seus médicos e se protegessem. "Estarão a fazer algo pela vossa saúde", rematava.

Para tentar levar os austríacos a vacinarem-se o governo levantou o confinamento e restrições, em grande parte do país, mas apenas para as pessoas vacinadas. Para os não imunizados mantêm-se um confinamento parcial.

A propagação da variante Ómicron na Europa está a criar constrangimentos às viagens mesmo no seio da União Europeia, com os Estados-membros a imporem regras mais rigorosas.

Israel proibiu os seus cidadãos de viajarem para a Grã-Bretanha, Dinamarca e Bélgica a partir de quarta-feira.

Outras fontes • ATORF