This content is not available in your region

Tufão Rai matou mais de 200 pessoas nas Filipinas

Access to the comments Comentários
De  Maria Barradas  com AP
euronews_icons_loading
Tufão Rai matou mais de 200 pessoas nas Filipinas
Direitos de autor  AP/(Office of the Vice President

Mais de 200 mortos e meia centena de desaparecidos é o novo balanço da passagem do tufão Rai por diversas ilhas do centro e sul das Filipinas.

A tempestade arrancou telhados e árvores, derrubou postes de betão, esmagou casas de madeira, arrasou hospitais e escolas, inundou aldeias e destruiu colheitas.

Centenas de milhares de pessoas ficaram desalojadas. Muitas populações estão sem comida, água potável e eletricidade. Os sobreviventes, desesperados clamam por ajuda.

Uma idosa reclama frente às câmaras dos repórteres: "Pagámos muitos impostos quando trabalhávamos, mas agora não nos querem ajudar".

Outro idoso afirma, visivelmente irritado: "Ninguém apareceu - não sei onde estão os políticos e candidatos eleitorais".

O presidente, Rodrigo Duterte, visitou algumas das áreas mais duramente atingidas no sábado e comprometeu-se a desbloquear verbas para os esforços de recuperação.

Milhares de militares, elementos da polícia, guarda costeira e bombeiros foram destacados para as áreas mais duramente atingidas.

Entre as ilhas mais afetadas estão Bohol, Siargao, Dinagat e Mindanao.

As zonas afetadas estão sem comunicações, dificultando os esforços das agências de ajuda de emergência para avaliar a extensão total dos danos da tempestade.

Embarcações da guarda costeira e naval, bem como aviões que transportam alimentos, água e material médico, foram despachados, enquanto maquinaria pesada - como retroescavadoras e carregadoras frontais - foram enviadas para ajudar a limpar estradas bloqueadas por postes de eletricidade e árvores caídos.

O Rai - denominado nas Filipinas Odette - atingiu o país no final da época dos tufões - a maioria dos ciclones desenvolve-se tipicamente entre julho e outubro.

Os cientistas há muito que advertem que os tufões estão a tornar-se mais poderosos e a fortalecer-se mais rapidamente à medida que o mundo se torna mais quente devido às alterações climáticas provocadas pelo homem.

As Filipinas - classificadas entre as nações mais vulneráveis do globo aos impactos das alterações climáticas - são atingidas por uma média de 20 tempestades e tufões por ano, que tipicamente arrasam colheitas, casas e infraestruturas, em áreas já empobrecidas.

O tufão Haiyan, chamado Yolanda nas Filipinas, foi, até agora, a tempestade mais mortífera de sempre e deixou mais de 7.300 pessoas mortas ou desaparecidas, em novembro de 201