[Texto atualizado] Tentava cruzar o Atlântico a remos e desapareceu ao largo dos Açores

[Texto atualizado] Tentava cruzar o Atlântico a remos e desapareceu ao largo dos Açores
Direitos de autor PHILIPPE LOPEZ/AFP or licensors
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Jean-Jacques Savin, de 75 anos, tinha partido no primeiro dia do ano de Sagres e após a Madeira pediu socorro. A canoa foi encontrada, o marinheiro ainda não

PUBLICIDADE

Está ainda desaparecido o aventureiro francês, septuagenário, que pretendia atravessar este ano o oceano Atlântico numa canoa a remos.

Jean-Jaques Savin celebrou 75 anos a 14 de janeiro, em alto mar, a bordo da "Audaz", a canoa de oito metros de comprimento por 1,70 metro de largura com que pretendia atravessar a remo o Atlântico.

Largou de Sagres, no sul de Portugal, a 1 de janeiro, e estaria algures entre a ilha da Madeira e da de São Miguel, nos Açores, quando acionou na madrugada de sexta-feira os sinais de socorro.

A última mensagem do marinheiro septuagenário foi publicada quarta-feira na respetiva página de Facebook, revelando estar a caminho do porto de Ponta Delgada, onde esperava reparar alguns problemas técnicos que a canoa apresentava, nomeadamente no painel solar, responsável por recarregar as baterias elétricas essenciais para o purificador de água do mar.

A canoa foi localizada na sexta-feira, ao largo dos Açores, pelas autoridades marítimas portuguesas, numa operação conjunta com equipas de resgate norte-americanas e francesas.

Este sábado, a canoa foi encontrada, virada em alto mar. Num primeiro momento, foi divulgado que um mergulhador teria conseguido descer, entrar na cabine da embarcação e encontrado o cadáver de Savin, mas tal não se verificou e já foi desmentido. O marinheiro mantém-se desaparecido.

Marinha Portuguesa
Imagem da canoa de Savin tal como foi encontrada em alto marMarinha Portuguesa

"Nas ações de busca e salvamento, que decorreram até ao final do dia de ontem, 22 de janeiro, foram empenhados um total de 11 navios mercantes, três aeronaves da Força Aérea Portuguesa, um EH-101, um C295 e um P3, e o navio da Marinha que permaneceu na área até ao final das ações", lê-se no comunicado publicado domingo.

A Marinha portuguesa aprofundou as explicações: "Durante as ações de busca e salvamento, o primeiro navio mercante divergido para a posição do alerta indicou ter avistado a embarcação e o navegador na madrugada de sexta-feira, 21 de janeiro, contudo quando se aproximou da embarcação indicou que a mesma se encontrava sem o homem. A embarcação foi visualizada voltada ao contrário, com o casco para a superfície, por vários navios mercantes e pelas aeronaves da Força Aérea, tendo-se intensificado as buscas pelo homem, nas imediações da embarcação, sem sucesso. Um dos navios mercantes recolheu um saco impermeável que continha no seu interior a documentação de identificação do navegador".

As buscas terminaram no final do dia de sábado, "sem que fosse possível encontrar a vítima", tendo sido mantido "um aviso à navegação" para que os navios que circulem pela região "estejam atentos à possibilidade de ser avistado o náufrago".

Jean-Jaques Savin tornou-se famoso pela travessia do Atlântico, em 2019, a bordo de uma embarcação em forma de barril, que foi transportada pelas correntes marítimas durante 127 dias de El Hierro, em Espanha, até Porto Rico, nas caraíbas.

Outras fontes • AFP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos

Mãe de Alexei Navalny pede à justiça entrega do corpo

Russos continuam a homenagear Navalny apesar do risco de detenção. Mais de 400 já foram presos