Ainda não há fumo branco nas Presidenciais italianas

Ainda não há fumo branco nas Presidenciais italianas
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mario Draghi é apontado como solução mas o preço a pagar é uma nova crise política

PUBLICIDADE

Ainda não há fumo branco em Itália, onde desde segunda-feira os 1009 grandes eleitores procuram um consenso que permita eleger um novo Presidente da República. Depois de três rondas eleitorais dominadas pelos votos em branco, esta quinta-feira venceu a abstenção.

O atual primeiro-ministro, Mario Draghi, é apontado como solução para o impasse, mas o preço a pagar é a criação de uma nova crise política.

Pietro Paganini, analista político na Universidade John Cabot, em Roma, explica que "há dois cenários possíveis. No primeiro, Draghi continua como primeiro-ministro, assegurando que a estabilidade do país e a credibilidade do governo não são afetadas, mas se Draghi for eleito Presidente a credibilidade do país pode ficar em causa. A grande questão é quem é que o vai substituir no governo, e sobretudo quem é que o pode substituir e encarnar um papel ao mesmo tempo político e técnico."

A quinta ronda eleitoral está marcada para esta sexta-feira, após mais um rodopio de reuniões, encontros e discussões para tentar encontrar um nome capaz de reunir os apoios necessários para suceder a Sergio Mattarella.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente da República de Itália será escolhido esta segunda-feira pelo Parlamento italiano

Mil italianos assinam manifesto para que Draghi seja presidente da Comissão Europeia

Itália prepara-se para negociar com Bruxelas termos da trajetória do ajuste fiscal