This content is not available in your region

Agência da ONU para os refugiados alerta para quatro milhões de deslocados na Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Famílias de deslocados da guerra na Ucrânia chegam a Przemysl, na Polónia
Famílias de deslocados da guerra na Ucrânia chegam a Przemysl, na Polónia   -   Direitos de autor  AP Photo/Petr David Josek

Mais de quarto milhões de deslocados devido à guerra na Ucrânia, é a estimativa avançada pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados.

A invasão russa no país vizinho entra agora no quarto dia e as imagens de famílias a tentar fugir da ofensiva ordenada quinta-feira por Vladimir Putin têm sido uma constante.

O Alto Comissário da ONU para os Refugiados, Filippo Grandi, anunciava a meio da tarde de sábado, o terceiro dia da invasão russa, que mais de 150 mil pessoas já tinham naquela altura cruzado as fronteiras da Ucrânia para os vários países vizinhos membros da União Europeia

A Polónia e a Roménia, também membros da NATO, têm sido os destinos privilegiados e os recomendados, por exemplo, por Portugal para os respetivos cidadãos na Ucrânia.

Alguns portugueses e também brasileiros entretanto naturalizados ucranianos estão, no entanto, a ser impedidos de sair do país e obrigados a pegar em armas para lutar contra os militares fiéis a Putin.

Para tentar aumentar os recursos da resistência ao Kremlin, o governo de Kiev impôs a Lei Marcial, incluindo uma mobilização obrigatória geral dos ucranianos adultos até aos 60 anos para a guerra e isso está a provocar a separação de muitas famílias à saída do país.

A ajuda humanitária começa, entretanto, a ser urgente.

Na cidade polaca de Przemyśl, 20 quilómetros a oeste do posto fronteiriço de Medyka, o ginásio de uma escola primária transformou-se num armazém de bens de primeira necessidade.

Também em Záhony, na Hungria, ganha força a onda de solidariedade internacional em curso sobretudo pela Europa e bens de primeira necessidade estão a chegar ali para ajudar os deslocados da guerra na Ucrânia.